terça-feira, 30 de abril de 2024

EVOLUÇÃO

 Imagem Pixabay



Fui rocha, em tempo, e fui no mundo antigo, 
Tronco ou ramo na incógnita floresta...
Onde, espumei, quebrando-me na aresta 
Do granito, antiquíssimo inimigo ... 

Rugi, fera talvez, buscando abrigo 
Na caverna que ensombra urze e giesta; 
Ou, monstro primitivo, ergui a testa 
No limoso paúl, glauco pascigo... 

Hoje sou homem – e na sombra enorme 
Vejo, a meus pés, a escada multiforme, 
Que desce, em espirais, na imensidade... 

Interrogo o infinito e às vezes choro... 
Mas, estendendo as mãos no vácuo, adoro 
E aspiro unicamente à liberdade


Antero de Quental.


Há 50 anos Portugal conquistou a Liberdade o que nos permitirá. amanhã, 1 de Maio, festejar , nas ruas, esse dia dedicado aos trabalhadores .Creio que temos evoluído para melhor, em mutos aspectos, no entanto, não temos entendido bem que a nossa liberdade acaba onde começa a do outro; essa é a principal causa de tantas guerras e de tanta violência.

Emília Pinto 

15 comentários:

  1. Poema lindo e tens razão... A evolução ocorrei, porém tantos e tantos não se dão conta do real sentido e significado da liberdade! Ótimo MAIO!
    beijos, chica

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, Chica, evoluímoos em tantas coisas para melhor, mas em muitas outras parece termos regredido. Obrigada, Amiga e que a vida te abençoe com saúde. Beijinhos
      Emilia

      Eliminar
  2. Boa noite de Paz, querida amiga Emília!
    Muito interessante aspirar a liberdade, pois muitos desistem dela e partem para a libertinagem.
    Uma verdadeira evolução é a consciência reta...
    Tenha um maio abençoado!
    Beijinhos com carinho fraterno

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. " Evolução é uma consciência reta ", mas infelizmente essa retidão nem sempre existe. Não sabem que liberdade significa respeito para com o outro e não " a libertinagem " que se vê por aí; pensam que ser livre é fazer tudo o que querem. Obrigada, querida Rosélia, pelo carinho da visita. Saúde para todos vós. Beijinhos
      Emilia


      Eliminar
  3. Antero de Quental expõe belíssimamente esse nosso estado de evolução,
    em que já deveríamos estar num patamar de muita elevação espiritual.
    Mas o que temos visto não é propriamente esse olhar de puro encanto
    e de fraternidade para com os nossos irmãos e de admiração por tudo o
    que a Natureza nos oferece a cada passo. Infelizmente, muitos anos
    teremos de trilhar para que tal aconteça ou então não nascemos para
    isso. Em todo o caso, tenhamos Esperança.
    Bom fim de semana, minha amiga, junto à Família.
    Beijinhos
    Olinda

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, Olinda, já deveríamos " estar num patamar de muita elevação espiritual " , mas não é o que se vê e, se calhar" não nascemos para isso ", pois, nesse aspecto parece que regredimos e isso vê-se neste poema escrito há tantos e tantos anos. Já Antero de Quental reclamava dessa evolução. Querida Olinda, obrigada por teres vindo e desejo-te dias abençoados, com saúde , sempre! Beijinhos
      Emilia

      Eliminar
  4. Bom dia minha Amiga Emília. Há quanto tempo não leio Antero de Quental. Foi bom encontrá-lo aqui neste poema. "Aspiro unicamente â liberdade", diz o autor. Junto-me a ele nesse desejo. Que ela nunca nos falte.
    Tudo de bom.
    Uma boa semana.
    Um beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E a liberdade para nós chegou, mas ainda falta em muitos lugares do globo. Pena é que muitos " abusem " dessa liberdade, achando-se no direito de fazerem o que querem, como se numa sociedade não houvesse regras. Fico feliz, querida Graça, que tenhas gostado de ver aqui o nosso Antero de Quental. Beijinhos e saúde para todos. Muito obrigada, Amiga!
      Emilia

      Eliminar
  5. Um magnífico poema de um grande escritor.
    Obrigado pela partilha.
    Boa semana.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda bem que gostaste, Jaime! Fico contente! Um beijinho e um bom final de semana, com saúde, sempre,
      Emilia

      Eliminar
  6. Olá querida Emilia! A profundidade e a beleza da poesia de Antero de Quental são verdadeiramente tocantes. Ele nos leva por uma jornada desde a imutabilidade da rocha até a busca humana pela liberdade. “Hoje sou homem – e na sombra enorme / Vejo, a meus pés, a escada multiforme, / Que desce, em espirais, na imensidade…” - esses versos ressoam especialmente, sugerindo uma reflexão sobre o crescimento e a busca pelo significado além do tangível. Maravilhoso!
    Gratidão pela partilha, beijos!




    ResponderEliminar
  7. Olá Beto, que bom ver-te por aqui...
    Este poema, é sim, de grande reflexão e fico feliz que tenhas gostado. Temos que pensar bastante na nossa evolução que deveria ser sempre positiva, principalmente no que diz respeito à nossa essência, à nossa visão sobre a vida e sobre o verdadeiro significado da palavra liberdade. Obrigada pela visita, Amigo! Beijinhos e que os teus dias sejam abençoados, com saúde e serenidade
    Emilia

    ResponderEliminar
  8. Querida Emília, como estudei os poemas de Antero de Quental no
    colégio, um belo poema, sem dúvida! E a minha amiga falou tudo, com perfeição:
    "... nossa liberdade acaba onde começa a do outro"; pontual!
    Essa é a principal causa de tantas guerras e de tanta violência. Ah, se é!
    O grandalhão lá fica de olho no território do vizinho, mais pobre e menor, a ganancia é
    dona do mundo, amiga! E isso nunca vai terminar.
    Difícil entender a humanidade: os humanos são capazes de gestos altamente nobres,
    de solidariedade aos montes, é o que está ainda na minha retina, na enchente do Rio Grande do Sul, mas por outro lado é capaz de gestos dos mais sórdidos.
    Jamais entenderei, mata-se aos montes, crianças, mulheres, homens que nada tem a ver nesses momentos que vemos. Inocentes! Em nome de quê? É justo?
    Obrigada, amiga, uma postagem de luxo para um mundinho desestruturado e de malucos.
    Uma boa semana, beijinhos daqui do teu Brasil, tua segunda pátria!

    ResponderEliminar
  9. Olá, estou sempre feliz em olhar para blogs de poesia, porque eu mesmo escrevo e edito sites de poesia. O seu poema é lindo. Saudações e obrigado. Tenha um bom fim de semana!

    ResponderEliminar
  10. Querida amiga Emília
    Há tanto tempo que não lia Antero de Quental!
    Ainda bem que te lembraste de o trazer aqui para este aconchegante lugar, proporcionando-nos o prazer de uma leitura especial.
    Este soneto é mesmo muito bom! Retrata fielmente os sentimentos de quem se sente "preso", e que, com esforços sobre-humanos - "Rugi, fera talvez, buscando abrigo Na caverna" - consegue libertar-se. Porque, no fundo, aspira unicamente à liberdade.
    Magnífico!
    Minha querida, espero que tenhas passado um muito feliz "Dia da Mãe".
    O meu, felizmente, foi muito bom - com os filhos e os netos, não pode haver nada melhor.
    Deixo-te o meu abraço carregadinho de Amizade.
    Bom Fim de Semana.
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderEliminar