quarta-feira, 26 de janeiro de 2022

GENEROSIDADE

 

A primeira prática para se atingir a perfeição é a Generosidade ("Dana"). 
Dar significa, primeiro, oferecer Alegria, Felicidade e Amor.
Existe uma planta, muito conhecida na Ásia - um membro da família das cebolas, que fica deliciosa nas sopas, no arroz frito e nas omeletes - que a cada vez que a cortamos torna a crescer em vinte e quatro horas. E quanto mais se corta essa planta, maior e mais forte ela cresce. 
A planta representa a Generosidade. Não guardamos nada para nós. Apenas queremos dar.Talvez a outra pessoa se sinta feliz com isso, mas com certeza os maiores beneficiados seremos nós mesmos. Quer você dê sua presença, sua estabilidade, sua paz, sua leveza, sua firmeza, sua liberdade, ou sua compreensão, sua dádiva fará milagres. A Generosidade é a prática do Amor.


Thich Nhat Hanh 


Quem foi?

Nascido como Nguyễn Xuân Bảo, foi um dos mestres do zen-budismo mais conhecidos e respeitados no mundo de hoje, poeta e ativista da paz e dos direitos humanos. Nascido na região central do Vietnã, ele se juntou aos monges na idade de dezasseis anos. Por ocasião da Guerra do Vietnã, os mosteiros se defrontaram com a questão de aderir ou não, exclusivamente, à vida contemplativa e continuar a meditar nos mosteiros, ou ajudar a população que sofria sob bombardeios e outras devastações da guerra. Nhat Hanh foi um dos que optaram por fazer as duas coisas, ajudando a fundar o movimento do budismo engajado. Desde então, dedicou sua vida ao trabalho de transformação interior para o benefício dos indivíduos e da sociedade.


Conheci este Senhor pela notícia da sua morte, a 22 de Janeiro, com 95 anos
Fiquei curiosa e fui pesquisar. Não conhecia  o Budismo engajado, movimento  que ele ajudou a fundar. Creio que em qualquer sociedade é necessário que todos os lideres religiosos pensem também em ajudar  aqueles que precisam. Não basta orar!


Emília Pinto

quarta-feira, 12 de janeiro de 2022

NO MEU TEMPO......

 Imagem da net


...... não Era Assim 


Ficar velho deve ser, presumimos, ficar preso a noções e ambições que constituíram a aposta do tempo da juventude. Mas as pessoas esquecem que, enquanto vão aplicando essas noções e ambições, outras pessoas nascem e se fazem homens, tendo do mundo uma visão diferente. E é a visão mais recente - até que outra mais nova ainda a venha substituir - que garante a sobrevivência espiritual e material do homem no mundo. Assim, aos que se não encontram em estado de vigilante disponibilidade será recusada a compreensão sempre refeita da realidade. É essa mesma massa humana que se torna um peso para o próprio desejo humano de progressão, que se faz obstáculo ao dinamismo natural da vida. Por mais argumentos que julgue encontrar, a velhice nunca tem razão. Não há plano de realidade, nem tipo de actividade, onde isto não seja assim. (…) O mal das sociedades que se orgulham de uma grande tradição cultural é que supõem haver encontrado a forma definitiva de resolver os problemas todos. Passa-lhes desapercebida a qualidade dinâmica da realidade e a exigência que esse mesmo dinamismo tem de instrumento, que da tradição apenas aproveitem aquilo que não morreu e que normalmente é muito menos do que se pensa. Em todos os domínios, há Velhos do Restelo, que ficam à borda de água meneando sabichonamente a cabeça e falando da loucura do mundo.

 Dizem eles: no meu tempo não era assim. Pois não era, senhores cadáveres.


 Herberto Heldér

Infelizmente, confesso... até eu já disse essa  " asneira ". Temos muito a ensinar, certo,  mas também muito a aprender com as novas gerações.  Vivamos o momento sem nos" armarmos " em sabichões!


Emília Pinto



sábado, 1 de janeiro de 2022

MENSAGEM - 2022

 


A opção pacífica perde o sentido se não tem a possibilidade de ser eficaz. A violência é inquietante e inaceitável. Até mesmo, num único caso de homicídio, já é um caso de morte a mais do que podemos aceitar. 
Não  há lugar para neutralidade. Quando você diz que é neutro em relação a uma injustiça ou opressão, você decidiu apoiar o status quo do injusto. 
Não queremos ser amados por sermos bons. Somos bons porque somos amados. 
Quando você se recusa a partilhar alguma coisa, corre o risco de perder tudo. 
Se você fica neutro em situações de injustiça, você escolhe o lado do opressor


Desmond Tutu


Nada mudará neste novo ano que começa se não houver mudanças na mentalidade do ser humano. Façamos a nossa parte, escolhendo sempre o lado da justiça.

Saúde , Amigos, agora e sempre!


sábado, 18 de dezembro de 2021

Boas Festas!

 





" Oxalá pudéssemos meter o espírito de natal em jarros e abrir um jarro em cada mês do ano." 


 Harlan Miller


Oxalá pudesse dizer que este Natal vai ser vivido como tantos outros, mas...não me atrevo a dizer que sim. Vai ser um dia muito diferente e demasiadamente triste para muitas pessoas.

Apesar disso, não podia deixar passar esta quadra tão especial sem desejar aos meus queridos Amigos  um Natal com a alegria possível, principalmente com  saúde para todos, Quero também agradecer - vos  todo o carinho e amizade que tenho recebido ao longo de todos estes anos. 

Oxalá o Novo Ano nos traga  tempos melhores, principalmente, o fim desta pandemia para que, livremente e sem medos, possamos manifestar os nossos afectos....  possamos, beijar,  acarinhar e abraçar familiares , amigos e tantos idosos carentes de afagos

Oxalá a vida nos abençoe , a todos, com  saúde bastante para continuarmos esta interacção tão enriquecedora que me tem permitido conquistar grandes e bons Amigos.



Muito obrigada, Amigos e Boas festas
Até Janeiro!

Um abraço  e mil beijinhos

Emília

quarta-feira, 8 de dezembro de 2021

DESCULPEM !

 

" Desculpem-nos. Oito de dezembro está perto novamente. Todos os anos, neste dia, muitas pessoas me procuram, de todas as partes do mundo, porque se lembram do meu marido, John Lennon, e da sua mensagem de paz. Obrigada pelo amor eterno a John e também por sua atenção comigo neste trágico aniversário. 
Este ano, porém, no 8 de dezembro, eu gostaria também de lembrar das milhões de pessoas que estão sofrendo pelo mundo. Às pessoas que também perderam seus entes queridos sem motivo: nos perdoem por termos sido incapazes de impedir a tragédia. 
Nós rezamos para as feridas cicatrizarem. Aos soldados de todos os países e de todos os tempos, mutilados ou que perderam suas vidas: nos perdoem por nossos maus julgamentos e pelo que aconteceu como resultado deles. Aos civis que foram mutilados, ou mortos, ou que perderam membros da sua família: nos perdoem por termos sido incapazes de impedir que isso acontecesse. Às pessoas que foram abusadas e torturadas: nos perdoem por termos permitido que isso acontecesse. Saibam que sua perda é nossa perda. Saibam que o abuso físico e mental que vocês passaram terão um efeito duradouro na nossa sociedade e no nosso mundo. Saibam que o ônus é nosso. Como a viúva de alguém que foi assassinado por um ato de violência, eu não sei se estou pronta para perdoar aquele que puxou o gatilho. Estou certa de que todas as vítimas de crimes violentos se sentem como eu. Mas a cura é o que mais precisamos agora no mundo. Vamos curar juntos as feridas do mundo. Todo ano, vamos fazer do 8 de dezembro o dia de pedir perdão para aqueles que sofreram o inimaginável. Vamos desejar fortemente que um dia sejamos capazes de dizer que nós nos curamos, e que, nos curando, teremos curado o mundo. Com muito amor, "

 Yoko Ono Lennon Nova York, 29 de novembro de 2006

Gostei muito desta mensagem da Yoko Ono e resolvi partilhar. Concordo com ela,  " não sei se estou pronta para perdoar  aquele que puxou o gatilho " um gatilho puxado por nada, como é próprio do ser humano, digo eu ; nós, humanos. somos os únicos seres que matam por nada

Emília Pinto. 

quinta-feira, 25 de novembro de 2021

ESTADO FRENÉTICO DA .....

 .....Tagarelice



Assola o país uma pulsão coloquial que põe toda a gente em estado frenético de tagarelice, numa multiplicação ansiosa de duos, trios, ensembles, coros. 
Desde os píncaros de Castro Laboreiro ao Ilhéu de Monchique fervem rumorejos, conversas, vozeios, brados que abafam e escamoteiam a paciência de alguns, os vagares de muitos e o bom senso de todos. O falatório é causa de inúmeros despautérios, frouxas produtividades e más-criações. Fala-se, fala-se, fala-se, em todos os sotaques, em todos os tons e décibeis, em todos os azimutes. O país fala, fala, desunha-se a falar, e pouco do que diz tem o menor interesse. O país não tem nada a dizer, a ensinar, a comunicar. O país quer é aturdir-se. E a tagarelice é o meio de aturdimento mais à mão. (...) Telefones móveis! Soturna apoquentação! Um país tagarela tem, de um momento para o outro, dez milhões de íncolas a querer saber onde é que os outros param, e a transmitir pensamentos à distância. Afortunados ventos que batem todas as altitudes e pontos cardeais e levam as mais das palavras, às vezes frases inteiras, parágrafos, grosas deleas, para as afogar no mar, embeber nos lameiros de Espanha, gelar nos confins da Sibéria, perder nas imensidades do éter. É um favor de Deus único e verdadeiro. O país pereceria num sufoco, aflito de rouquidões, atafulhado de vocábulos, envenenado de sandices, se a Providência caridosa lhos não disseminasse por desatinadas paragens. 

 Mário de Carvalho, in "Fantasia para Dois Coronéis e uma Piscina"


  O Excelentíssimo Senhor Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa condecorou Mário de Carvalho com a Grã - Cruz da Ordem do Infante," um reconhecimento público pelo muito feito por Portugal em 40 anos de dedicação à literatura "


E com as redes sociais a Tagarelice " corre mundo "

Emília Pinto

segunda-feira, 15 de novembro de 2021

CARTA......

 Imagem da net



.... à Minha Filha 


Lembras-te de dizer que a vida era uma fila? 
Eras pequena e o cabelo mais claro, mas os olhos iguais. 
Na metáfora dada pela infância, perguntavas do espanto da morte e do nascer,
e de quem se seguia e porque se seguia, 
ou da total ausência de razão nessa 
cadeia em sonho de novelo. 

Hoje, nesta noite tão quente rompendo-se de junho, 
o teu cabelo claro mais escuro, 
queria contar-te que a vida é também isso: 
uma fila no espaço, uma fila no tempo 
e que o teu tempo ao meu se seguirá. 

Num estilo que gostava, esse de um homem 
que um dia lembrou Goya numa carta a seus filhos
queria dizer-te que a vida é também isto: 
uma espingarda às vezes carregada (como dizia uma mulher sozinha, mas grande de jardim). 
Mostrar-te leite-creme, deixar-te testamentos, 
falar-te de tigelas - é sempre olhar-te amor. 
Mas é também desordenar-te à vida, 
entrincheirar-te, e a mim, em fila descontínua de mentiras,
em carinho de verso. 

E o que queria dizer-te é dos nexos da vida, 
de quem a habita para além do ar. 
E que o respeito inteiro e infinito 
não precisa de vir depois do amor. Nem antes
Que as filas só são úteis como formas de olhar, 
maneiras de ordenar o nosso espanto, 
mas que é possível pontos paralelos, espelhos e não janelas. 

que tudo está bem e é bom: 
fila ou novelo, duas cabeças tais num corpo só, 
um dragão sem fogo, ou unicórnio ameaçando chamas muito vivas. 
Como o cabelo claro que tinhas nessa altura 
se transformou castanho, ainda claro, 
e a metáfora feita pela infância 
se revelou tão boa no poema. 
Se revela tão útil para falar da vida, 
essa que, sem tigelas, intactas ou partidas, 
continua a ser boa, mesmo que em dissonância de novelo. 

 
Não sei que te dirão num futuro mais perto, 
se quem assim habita os espaços das vidas 
tem olhos de gigante ou chifres monstruosos. 
Porque te amo, queria-te um antídoto igual a elixir, 
que te fizesse grande de repente, 
voando, como fada, sobre a fila. 
Mas por te amar, não posso fazer isso, 
e nesta noite quente a rasgar junho, 
quero dizer-te da fila e do novelo 
e das formas de amar todas diversas, 
mas feitas de pequenos sons de espanto, 
se o justo e o humano aí se abraçam. 

 A vida, minha filha, pode ser de metáfora outra: 
uma língua de fogo; uma camisa branca da cor do pesadelo.
Mas também esse bolbo que me deste, 
e que agora floriu, passado um ano. 
Porque houve terra, alguma água leve, 
e uma varanda a libertar-lhe os passos.

 Ana Luísa Amaral, in 'Imagias (Um pouco só de Goya:)


Que lindo, Amigos!!!

Voltei a esta poetisa porque ela foi homenageada com o prémio Raínha Sofia deste ano, um prémio atribuido a escritores vivos que, com a sua obra tenham  dado um importante contributo para o património cultural do espaço Ibero- americano Já foram agraciados com este prémio, Sophia de Mello Breyner , Nuno Júdice e o brasileiro  João Cabral de Melo Neto,

Emília Pinto