terça-feira, 10 de setembro de 2019

CASA DE PAPELÃO




Casas de lata, casas de papelão e.....são tantas....pra mais de um milhão. Quanta verdade!

Emília Pinto

32 comentários:

  1. E mesmo. Com a evolução da humanidade em vez de uma maior igualdade entre os seres que a compõem, as diferenças acentuam-se cada vez mais.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E assim, creio, querida Elvira, continuará. Não tenho esperanças nenhumas de que o ser humano mude, deixando de procurar, em primeiro lugar, o dinheiro. Obrigada, querida amiga e os votos de que, os dois, estejam com a saúde mais estabilizada. Um forte abraço!
      Emilia

      Eliminar
  2. Respostas
    1. Uma triste realidade que não está ao nosso alcance mudar, embora possamos fazer sempre alguma coisa. Um beijinho, Chica e obrigada pela visita
      Emilia

      Eliminar
  3. Bom dia de paz, querida amiga Emília!
    Uma dura realidade para muitos. Tem ate casa de cimento so que nao como as nossas... De calçadas frias numa noite de inverno...
    Muito bom voltar-se para os menos favorecidos! Valorizar o que temos e urgente!
    Tenha dias abencoados!
    Bjm carinhoso e Fraterno de paz e bem

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. " Casas de cimento", mas nas ruas frias, debaixo de viadutos ou das varandas dos prédios; essas são muitas, não faltam, principalmente nas grandes cidades do mundo inteiro. Obrigada, Roselia, pelo carinho e , pensar nos mais desfavorecidos é o minimo que podemos fazer. Um beijinho e tudo de bom para ti e para os teus.
      Emilia

      Eliminar
  4. Sabes como se resolveria essa miséria toda, querida amiga? Se houvesse vontade política, humanidade, amor e corrupção zerada. Mas é gritante o que um humano faz com o outro por dinheiro. É difícil; quando uns querem, os outros - que não querem - fazem o possível para derrubarem qualquer plano. E em qualquer lugar do planeta, com raras exceções. Essa letra é o retrato de uma sociedade doente.
    Um beijo, querida! Uma linda semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Haverá excepções, querida Tais? Penso que em todos os paises se vê esta miséria e não tenho dúvidas de que assim continuará a ser. Já não há lideres, na verdadeira acepção da palavra e hojeo os governantes querem, acima de tudo, governarem-se a eles mesmos, pouco se preocupando com o povo. Um beijinho, querida Amiga e obrigada pelas tuas palavras
      Emilia

      Eliminar
  5. Respostas
    1. Fico contente que tenhas gostado, Larissa! Obrigada e até breve. Beijinhos
      Emilia

      Eliminar
  6. O Criolo cantou e contou bem acertado a respeito do Brasil. Grande beijo Emilia. Feliz noite.

    ResponderEliminar
  7. Oi Emilia, minha querida amiga. A respeito do comentário no meu blogue, não chegou até a mim. Deve ter ocorrido algum erro , com certeza. GRande beijo. Feliz dia!

    ResponderEliminar
  8. Cantou, sim, muito bem acertado, mas, seria bom que se referisse apenas ao Brasil, Beto. Infelizmente vê-esse tipo de casas em todas as grandes cidades do mundo, muitas delas consideradas ricas. Quanto ao meu comentário, com certeza fiz alguma asneira na hora de publicar, mas irei lá de novvo e prestarei mais atenção. Já não é a primeira vez que isso me acontece.Obrigada, Beto! Um beijinho e até breve
    Emilia

    ResponderEliminar
  9. São as causas e os efeitos...
    A desigualdade humana
    Existe e ninguém se irmana
    A mitigar os direitos

    E obrigações dos sujeitos
    Que vivem sob a tirana
    Miséria que tanto emana
    Das condições por efeitos

    De uma superlotação
    Do planeta, queira ou não,
    Do caos, solução virá.

    Eu, tenho a sensação
    De um colapso no vão
    Da nossa estrutura, já!

    Grande abraço! Laerte.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vens sempre com um belo poema a comentar o tema e isso só valoriza o post. Muito obrigada, Laerte e, por mais que desejemos, penso que continuaremos a ver " casas de papelao " espalhadas pelo mundo inteiro. Um beijinho e bom fim de semana
      Emilia

      Eliminar
  10. Uma canção que espelha uma realidade que nem sequer é amenizada pelos políticos.
    Gostei imenso, obrigado pela partilha.
    Querida amiga Emília, tem um bom fim de semana.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  11. Os politicos, Jaime, preocupam-se com as casas deles que são sempre de primeirissima qualidade, o resto...só interessa em tempo de eleições. Um bom fim de semana e obrigada pela visita. Um beijinho
    Emilia

    ResponderEliminar
  12. Uma canção poderosa...uma triste realidade... Uma vez, encontrei alguém que estava a viver na rua, pediu-me uma esmola, mas viu-me tão triste que perguntou o porquê. Quando lhe disse que a minha Mãe tinha morrido, foi muito amável " oh, minha santa, não tenha medo, porque vai correr tudo bem".
    Os políticos só se preocupam com essas pessoas em tempo de eleições. Depois... é só defender os interesses deles...
    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como é bom receber um " mimo " de uma pessoa que vive na rua, Marta! Apesar de tudo, tem um consolo para alguém que tem casa, mas que sofre a dor de uma perda definitiva. Casos como este mantêm em nós a crença no ser humano, mas o que nós podemos fazer por estas pessoas que moram em " casas de papelão " é muito pouco ou nada e quem pode e deve, não se interessa. Os governantes não têm sensibilidade bastante para terem como principal prioridade as pessoas que não têm tecto, ou melhor, tem tecto de varandas, de pontes ou do metro e assim vão vivendo com alguma caridade dos que por eles passam. Obrigada, Marta! Um bom fim de semana. Um beijinho
      Emília

      Eliminar
  13. Não deveriam de existir essas diferenças sociais quando muitos dos valores são notorios.
    Gostei do som e do tom, uma canto belo à igualdade.
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Duarte, por teres vindo conhecer o começar de novo. Espero que tenhas gostado e voltes mais vezes. Já fui " conhecer-te " e voltarei aí mais vezes. Um beijinho
      Emilia

      Eliminar
    2. Emília, nada tens a agradecer. Vim até cá, gostei e voltarei sempre. Estarei encantdo de ver-te lá por casa. Abraço

      Eliminar
  14. Gostei muito da musica que fala muitas verdades.

    ResponderEliminar
  15. Que bom ver-te por aqui, Alice! Muitas verdades, na realidade e infelizmente não há esperanças de que estas situações mudem; nas cidades grandes este tipo " de casas ", cada vez são em maior número. Obrigada, Alice e até breve aí n tua casinha onde as estórias são sempre muito interessantes. Um beijinho e obrigada
    Emilia

    ResponderEliminar
  16. Uma música muito bela, muito bem cantada, mas muito triste e actual. Afinal o fosso entre os que vivem com condições e os que vivem sem elas vai-se acentuando cada vez mais.
    Uma boa semana, minha Amiga Emília.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, Graça e, para ser sincera, não acredito que mude esta situação. É triste constatar que, este tipo de " casas " aparece precisamente nas grandes cidades que, em principio, deveriam ter mais condições para resolver este direito de qualquer cidadão, o direito a um tecto para se abrigar. Muito triste, muito! Obrigada, Graça e tudo de bom para ti e para os teus. Um beijinho e boa noite
      Emilia

      Eliminar
  17. "Casa em que cada um caiba
    e sonhos quanto se alcanço..."

    ... assim devera ser!

    Dia bom, Emília

    abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Assim deveria ser, na verdade, Manuel, mas, infelizmente a muitos é-lhes negado este e outros direitos fundamentais e ninguém se preocupa muito com isso. É o mundo que temos! Amigo. Obrigada pela visita e boa noite. Saúde para todos aí em casa. Um beijinho
      Emilia

      Eliminar
  18. Então, bloguinho, gostaste do meu comentário acima? É muito sucinto? Estás habituado a mais, a muito mais, é o que é -rs.

    Vamos, finalmente, conversar, e tu e a tua mentora vão fazer parte desta troca de impressões, aliás, tu já me fizeste a "papinha" toda colocando um vídeo com grande conteúdo, de tema vasto, de causas diversas, e foi por isso que ambos se decidiram por esta realidade bem penosa.

    Devo dizer-vos também que, quase sempre, escolhem temas de cariz humanitário, problemas sociais e económicos, k me fazem pensar e depois a minha mente entra em "ebulição"-rs.

    Estive escutando o vídeo, e o cantor Criolo (bem, no Português de Portugal, seria Crioulo, mas no Brasil a linguagem é bastante facilitada, portanto, qdo menos se escrever e se pronunciar, mais à-vontade os brasileiros se sentem. Faz parte da génese e cultura deles) tem uma voz mto agradável e tem um jeitinho mto próprio de cantar, de interpretar.

    Sabias que Criolo é o nome artístico dele? Não sabias. Pois, fica sabendo que o nome verdadeiro dele é Kleber Gomes e nasceu em 1975. Cantor, rapper, ator e professor, entre outras atividades. Uma curiosidade: antes de ter como nome artístico Criolo, teve outro: Criolo Doido. E que tal? Parece-me que, afinal, não tem nada de louco. O que te parece?

    Humanidade, homens e mulheres, embora existam mais homens vivendo nas ruas, sem abrigo há os em todos os países, mas aqui trata-se do Brasil, eu entendo.
    Casas de papelão, de cartão, mantas sujas e velhas, enfim, poucos haveres é tudo o k têm, mas alguns até com cultura académica superior não querem sair das ruas, pelo menos em Portugal. Porquê esta atitude) Não te sei responder, mas sei que é preciso um trabalho no âmbito da Psicologia, mto aturado e lúcido.
    Quase não têm mesmo nada, a não ser aquilo que as equipas de acompanhamento, sobretudo à noite, distribuem para eles: refeições quentes e agasalhos.

    No Brasil, não sei como é a situação, mas não será nada boa, pke este país é enorme e não há emprego, nem condições mínimas de vida para todos. As drogas, o alcoolismo e os problemas familiares são as principais causas do desabrigo destas pessoas.

    Qdo passam por eles, as pessoas, os outros, que têm casa e emprego, nem ligam, acho eu. É mais um, nesse caso, é mais um milhão.

    O que fazem os governos? No natal, na época mais boazinha e caridosa do ano dão almoços e jantares no dia 24 e 25 e pronto, tá feito. No mês mais hipócrita do ano, somos todos"irmãos e bonzinhos", pke depois volta tudo ao mesmo.

    As religiões no Brasil ainda exploram os k nada têm, pedindo dinheiro para k se ajude a resolver a situação deles, mas claro é 31 de boca. Não sei se alguns darão uns troquinhos, a troco de nada, pke acreditam em deus e naquela lengalenga. É difícil mudar mentalidades, pke o brasileiro é religioso por natureza, embora possa ser bandido, assassino e corrupto.

    Enqto os sem abrigo enchem as ruas, prédios luxuosos vão-se erguendo e sendo habitados por gente com mto dinheiro. Tramam-se, porém, pke a segurança é quase zero e têm de acionar esquemas de saída do prédio para k não sejam, eles e os carros, logo ao sair de casa assaltados.

    Deixa agradecer a tua presença e da tua "mãe" no meu blogue. Gostei de vos ver por lá, mas tenho andado bastante atarefada, mas hoje vamos estar juntos, aliás, já estamos.

    Creio que disse o que me ia na alma e aquilo que o vídeo, a letra, despertou em mim. espero que tenhas gostado deste "papo" como vocês aí falam. Eu gostei.

    Beijos e um grande, grande abraço para ambos. À bientôt Milinha e bloguinho.

    ResponderEliminar
  19. Demoraste, mas vieste muito brincalhonha. É claro que de ti, este humilde bloguinho, esperava um comentário como o que acabaste de fazer, com a usual investigação para que aqui não falte nenhuma informação. Não sabia nada deste " criolo ", mas gostei desta mensagem muito adequada ao periodo de campanha eleitoral que estamos a
    viver, periodo em que tudo prometem e depois quase ou nada se faz; penso que os moradores de rua já nem se preocupam em ouvi-los, pois sabem que a situacao deles vai continuar igual Concordo contigo quando dizes que alguna se sentem bem a viver nessas condições e não aceitam ajuda e, nesse caso, nada a fazer. Quanto as religiões, penso que não é só no Brasil que exploram os pobres coitados; o que me dizes do dinheiro e jóias que entram em Fátima, oferecidos a Nossa Senhora? E em todos os outros lugares de peregrinação? Acontece o mesmo em todo o lado, mas o Brasil é um mundo e isso faz com que pareça que a exploração seja maior. O que acontece em Aparecida do Norte, cidade da padroeira do Brasil, choca-me, pois o pais inteiro corre para lá e a cidade vive dos " romeiros " que deixam lá o dinheirinho que tanta falta lhes faz; mas em Fatima acontece o mesmo, só que a catedral é um ovo, comparada com a da Nossa Senhora Aparecida, a Sra negra, padroeira do Brasil. Com o dinheiro que lá cai, dava para construir casas dignas para todos os habitantes da cidade e dos
    arredores. Enfim...não gosto sequer de pensar nisto. Amiga, o bloguinho agradece o belo comentário e as pesquisas que fizeste para o enriquecer. A sua " mãe " também se alegra com isso, pois quem faz aos filhos, adoça a mãe ( será assim o provérbio? )
    Espero que já estejas mais serena, com as cogitações feitas e os sentimentos no seu devido lugar. Adorei o " papinho" e, quando puderes, volta para mais uma conversinha
    Beijinhos meus e da Florzinha " que hoje está a dormir comigo. Até...
    Emilia

    ResponderEliminar