domingo, 27 de janeiro de 2019

O FERRADOR...




 ....de Cavalos


 Em que língua falarei
 ao ferrador de cavalos?
 Por que na minha língua
 de assombro e vogal,
 só falo a mim mesmo
 — ao meu nada e ao meu tudo —
 e nem sequer disponho
 do gesto dos mudos?
Se as palavras morrem
à míngua como os homens
e se o silêncio
fala seu próprio idioma
em que língua direi
ao homem diferente
quando o vejo ferrar
o casco de um cavalo
que ele é meu semelhante?
Empunhando o martelo
ele me conta histórias
de cravos perdidos
e cavalos mancos.
Palavras que se perdem
como ferraduras
no caminho do pasto.

 Lêdo Ivo, in 'A Noite Misteriosa


No post anterior, o osso amigo Pedro Luso falou deste escritor brasileiro que eu desconhecia. Fui pesquisar e gostei muito deste poema. Espero que também vos agrade! Obrigada, Pedro!

Emília Pinto

51 comentários:

  1. Grata pela partilha, deste poeta que desconhecia por completo, e cuja mostra me agradou bastante.
    Abraço e uma boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que bom, Elvira! Fico muito contente que tenhas gostado! Espero que estejas já recuperada dos pequenos problemas de saúde e logo, logo irei visitar-te. Obrigada pela visita. Um beijinho
      Emilia

      Eliminar
  2. Gosto muito de Ledo Ivo, Emília, muita sensibilidade, e o entendo perfeitamente.
    Sabes, no meu tempo de jovem, com meus cavalos na Hípica, ver um ferrador era muito natural, eu assistia em silêncio e meio ansiosa, a colocação das ferraduras em meus cavalos de salto. Nesse trabalho, não havia muito o que dizer e nem escutar. Era mais o observar e o silêncio comandava, sim. Ressaltava meu agradecimento pelo ótimo trabalho feito que ele sentia e devolvia em sorrisos tímidos e orgulhoso de sua profissão, lembro bem disso.
    Para ele era o suficiente o reconhecimento. E era isso que eu queria demonstrar.
    As palavras de Ledo Ivo, nos mostram um outro lado muito sensível do ser humano, e de suas inúmeras variações.
    Beijo, querida amiga, uma bela postagem!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fiquei contente por ter feito recordar os teus tempos de jovem, Tais. Gostei deste poema precisamente por nos alertar para a importância de todas as profissões e para o reconhecimento que deve ser dado a todos os que nos prestam um serviço, sejam eles doutores ou simples ferradores. Obrigada, querida amiga e fica aqui o meu agradecimento pelo carinho que sempre recebo de ti e também um grande abraço
      Emilia

      Eliminar
  3. Há uma linguagem muito própria, muito eloquente... Também não conhecia o poeta..
    Obrigada pela partilha.
    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Marta, pela visita. Fico contente que tenhas gostado. Um beijinho e até breve aí em tua casa.Um beijinho
      Emilia

      Eliminar
  4. Um poema muito belo de Lêdo Ivo. Pensar no trabalho do ferrador de cavalos e procurar as palavras e os silêncios para imaginar as imensas histórias que lhe povoam o pensamento, é mesmo de um grande poeta. Foi bom encontrar aqui este poema, minha Amiga Emília. Muito obrigada. Também gostei muito do provérbio.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Graça! Eu também não conhecia este escritor, e escolhi este poema precisamente por achar que não valorizamos as pessoas de igual modo. Olhamos muito os rótulos e tudo muda quando atrás do nome está um Dr. Infelizmente é assim! Amiga, apesar deste frio que nunca mais acaba, desejo que estejas bem e que a gripe não tenha apanhado ninguém aí em tua casa. Um beijinho e até breve aí no teu " Ortografia "
      Emilia

      Eliminar
  5. Emília, fiquei muito contente ao ver essa postagem com esse poema excelente do nosso poeta Lêdo Ivo, o que me fez acreditar que tu também gostaste de sua poesia. Por minha vez leio, de tempos em tempos, os poemas do poeta alagoano. Os dois livros de poesia que tenho dele são 'Calabar' e 'Mar Oceano', ambos editados pela Record, outros livros que li do Lêdo Ivo são romances e obra de crítica literária.
    Uma excelente semana com muita paz, minha amiga.
    Beijo.
    Pedro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pedro, de Castro Alves ouvi falar, embora conheça pouco da sua obra, mas o Lêdo Ivo desconhecia por completo e foi muito bom teres aludido a ele, pois assim fiquei a conhecer alguma coisa e gostei muito. E é assim que os blogues contribuem para o nosso enriquecimento em várias áreas Obrigada pela " dica " e fico à espera de mais. Um beijinho e tudo de bom, amigo.
      Emilia

      Eliminar
  6. Muito, muito bom :))

    O nosso amigo Gil António, diz:- Palavras de amor, que " queimam" ... as palavras

    Bjos
    Votos de uma óptima noite.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fico contente que tenhas gostado, Larissa! Obrigada pela visita. Fica bem, amiga! Um beijinho e até breve.
      Emilia

      Eliminar
  7. EMÍLIA

    e se o silêncio
    fala seu próprio idioma
    em que língua direi
    que estou "cansada" de estar doente?

    Tenho silêncio e solidão na minha vida
    mas tudo ultrapasso com um sorriso
    vou-me conformando
    MAS...estar doente quase o mês todo, já chega!!!

    Olhe eu tenho estado de quarentena, um mês fechada em casa e doente!
    ... sem imaginação, nem disposição...

    Ando muito sensível, chorona mesmo
    Janeiro e 2019 não começaram da melhor maneira
    só estive 5 dias bem,
    depois disso tem sido médicos, exames, consultas, farmácias
    e culminou sábado passado com uma ida à Urgência

    Acredite, estou "cansada" de estar doente.
    E domingo o meu neto parte um pé, ontem foi operado
    pergunto: que mais falta acontecer?
    ....
    Desanimada com tudo!

    Desculpe o desabafo

    Que Fevereiro comece com o pé direito e tenha mais sorte e saúde
    peço para mim e para quem também precisar

    Pouco activa tenho estado,
    mas se quiser espreitar coisas mais recentes,
    aqui:
    http://tempolivremundo.blogspot.com/

    http://orientevsocidente.blogspot.com/

    OBRIGADA PELA PARTILHA DE TÃO BELO POEMA

    Boa semana, bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Tulipa, fiquei triste por saber que tens andado doente; de facto, um mês sempre doente é demasiado, mas espero que não seja nada de grave e te recuperes o mais depressa possivel. O tempo tem estado muito mau e isso deixa-me aborrecida, pois não gosto de frio; os dias ficam tristes, cinzentos e assim ficamos nós também. Espero que o teu neto se recupere do pé, pois, dependendo da idade, é dificil ter de ficar parado. Fevereiro com certeza começará melhor, amiga! Tenhamos esperança! Um beijinho e desabafa quando precisares, pois os amigos são também para isso. Irei visitar os teus cantinhos, pois há muito não o faço e peço desculpas por isso. Deixo também um grande abraço
      Emilia

      Eliminar
  8. Boa noite, querida amiga Emília!
    Gostei muito do cartaz de início.
    O sorriso, o Amor, os bons princípios, a amizade... enfim, tudo isso é outros têm o mesmo idioma, na certa.
    O poema não conhecia e gostei de ler aqui.
    O cavalo é um animal de Belo porte e elegante. Fico apreensiva quanto a dor que deve sentir ao ser ferrado...
    Felicidades e bênçãos para você!.
    Bjm carinhoso e fraterno de paz e bem
    😘😘😘

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada, querida Rosélia! É verdade, todos nos entendemos num sorriso, num olhar carinhoso e num abraço; não é preciso falar, pois esses gestos dizem muito. Ninguem precisa traduzir! Tudo de bom, amiga, principalmente saúde, pois sem ela nada interessa. Beijinhos
      Emilia

      Eliminar
  9. Olá, querida Emília

    Excelente este tema das profissões. Gostei muito do poema, de um autor que não conhecia. Nele damos conta das poucas vezes que reparamos no desempenho de tanta gente no nosso quotidiano. Profissões indispensáveis, e se falharem nas nossas vidas veremos quão importantes são. É um assunto que me mantém atenta, e o meu espanto é quase diário.
    Lembro-me de uma altura em que os camionistas pararam, em protesto, e então foi um "Deus nos acuda" nos super mercados, pessoas completamente desorientadas, a esvaziarem as prateleiras, legumes e frutas em falta, enfim se aquilo continuasse nem sei o que poderia ter acontecido.
    Da mesma forma, quando não há recolha do lixo temos um pequeno vislumbre de como seria o mundo sem esse serviço tão essencial para que possamos prosseguir com ar lavado, apesar da quantidade de desperdício que produzimos.
    E tantas e tantas outras profissões, em que, no silêncio da sua actividade, as pessoas que lhes dão vida teriam tantas histórias para contar.

    Minha amiga, que tudo esteja a correr contigo e com os teus à medida dos vossos desejos.

    Felicidades.

    Beijinhos

    Olinda

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um comentário muito pertinente, como sempre, Olinda. Infelizmente há profissões que são muito desvalorizadas e tratadas por alguns como inferiores; dói ver como algumas pessoas tratam, por exemplo, as empregadas domésticas, sem o minimo respeito, muitas vezes, só podendo comer depois dos patrões estarem servidos e se sobrar alguma coisa; parece estranho, mas sei de casos assim, alem de não ensinarem os filhos a respeitå-las. São muito humilhadas e assim como estas, há outras profissões que também sofrem muita discriminação; quando nos faltam, é como dizes, " um Deus nos acuda" e ficamos sem saber o que fazer. Obrigada, querida amiga e desejo que estejam todos bem aí em casa, apesar deste tempo tão chuvoso e frio. Um beijinhp e até breve no aconchego do teu Xaile
      Emilia

      Eliminar
  10. um poema de que gostei muito.

    na realidade somos a linguagem que usamos, em grande medida.
    ou dito de outra forma, as palavras "falam" em primeiro lugar do sujeito falante... apenas depois designam as coisas.

    um ferrador de cavalos tem uma linguagem, o carroceiro outra e o poeta a linguagem certa para quem o entenda!

    beijo, amiga Emília.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É isso, Manuel, cada um tem uma linguagem própria e que deve ser respeitada por todos. Os poetas, esses, às vezes, empregam " palavras difíceis " ( lembrei me da escola primária onde tínhamos de escrever várias vezes as palavras dificeis ..) e é dificil entende-los, quando são escritas; quando falam não usam tantas metáforas e já conseguimos comunicar muito melhor. Mas...somos individuos, todos diferentes, com atitudes e linguagem diferentes e essa consciência deve estar sempre presente em nós para que a convivência seja mais pacifica. Obrigada, Manuel e tudo de bom, para ti e para os teus
      Emilia

      Eliminar
  11. Gostei tanto do provérbio,como do poema. O primeiro uma realidade generalizada, o segundo de uma realidade para cada categoria de pessoa. Bonito e interessante post.
    Beijinhos Léah

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que bom Leah! As realidades são diferentes para cada tipo de pessoas, mas todos são importantes para o bom funciomamento de uma sociedade e muitas vezes esquecemos disso e não damos valor aquelas pessoas que fazem trabalhos considerados, por nós, inferiores. É uma triste realidade que tem de mudar. Todos têm um papel importante na sociedade em que vivem, sejam eles ferradores ou doutores. Mutio obrigada, pelo carinho e um bom fim de semana. Beijinhos
      Emilia

      Eliminar
  12. Um poeta que desconhecia por completo... pelo que adorei descobri-lo por aqui!...
    Quando o silêncio, é preenchido por obra feita... como no caso desta profissão... que parece ter tendência a desaparecer... as palavras, não carecem de existir... pois em tantas outras profissões, elas existem... e por vezes... são meros adornos de fonética... pois não se traduzem em actos... quando me lembro das vãs promessas de muitos dos nossos políticos... por exemplo...
    Beijinhos, Emília! Finalmente conseguindo passar por aqui, nestes últimas semanas, em que o meu tempo tem estado mais condicionado, por motivos de saúde da minha mãe... mas felizmente... devagarinho... já melhorando!...
    Continuação de uma boa semana!
    Ana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É bom sinal ver-te por aqui, Ana, pois significa que a saúde da tua mãe está voltando ao normal e isso é muito bom. Sim, Ana, falar só não basta, é preciso que o que se diz seja acompanhado de acções, o que não acontece, como bem dizes, por exemplo nos politicos. Gostei deste poema, porque ele, segundo entendi, chama a nossa atenção para o respeito por todas as profissões , coisa que infelizmente não acontece. Ana, muito obrigada pela visita e pela opinião. Desejo a todos muita saúde e um bom fim de semana. Beijinhos
      Emilia

      Eliminar
  13. Então o sorriso é a linguagem universal!
    Gostei muito tanto do provérbio quanto do poema, cujo autor brasileiro eu não conhecia ainda. Vou procurar saber mais sobre a vida e a obra, obrigada pela partilha.
    Um beijo, Emília.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, Sandra, não há quem não entenda um sorriso, assim como outro qualquer gesto de afecto. Por isso , amiga, devemos usá-lo com toda a gente e nem precisaremos de palavras; um sorriso diz muito. Obrigada, Sandra e até breve aí em tua casa.
      Beijinhos
      Emilia

      Eliminar
  14. OI EMÍLIA!
    GOSTEI E MUITO. E TE PARABENIZO PELA INICIATIVA DE TRAZÊ-LO PARA NÓS.
    TAMBÉM NÃO O CONHEÇO MAS, VOU BUSCAR SABER DE SUA OBRA.
    ABRÇS
    https://zilanicelia.blogspot.com/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também não o conhecia, Zilnni! Como disse acima, foi o nosso amigo Pedro, do blog Veredas , que me falou nele e agora " não me escapa mais " obrigada, querida amiga e desejo um boa semana, com saúde para todos aí. Beijinhos
      Emilia

      Eliminar
  15. corrigindo-me :)

    que tudo esteja a correr bem, contigo e com os teus...

    Bj

    Olinda

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sabes que não tinha notado a falta desse " bem "? Imaginei-o lá e pronto!
      Beijinhos, Olinda!
      Emilia

      Eliminar
  16. Um poema interessante, não conhecia nada do poeta brasileiro.
    Obrigado pela partilha.
    Emília, um bom fim de semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mostrar poesia a um poeta é sempre um risco, mas, tenho tido sorte, pois consigo apresentar-te algo de novo. Que bom! Beijinhos e uma boa semana
      Obrigada!
      Emilia

      Eliminar
  17. Minha querida Emília
    Gostei imenso do poema, que não conhecia, tal como não conheço o poeta.
    É o que eu sempre digo: visitar este blog é SEMPRE aumentar o nosso conhecimento!
    Considero muito louvável o tema abordado no poema. Chama a atenção para uma profissão em que, normalmente, nem sequer pensamos. Contudo... pobres cavalos se não houvesse ferradores. E, consequentemente, pobre de quem os monta, pois sofreria as consequências de os animais não serem "ferrados".
    Que língua usar para falar com um ferrador de cavalos? - Boa pergunta.
    Olhos nos olhos, mostrando a nossa admiração e respeito por uma profissão tão nobre - já que trata da saúde de um animal tão nobre como é o cavalo - e reconhecimento, também.
    Creio que essa "língua" toda a gente entende.
    Gostei muito, muito.

    RE: Obrigada pelo teu cuidado. Como te relatei no meu email (ou não?) a minha filha está recuperada - pelo menos já retornou ao trabalho. Diz-me que sente muito cansaço, o que não é de estranhar, penso eu. Estas doenças deixam mazelas e, muitas vezes, alteram a maneira de estar na vida.
    Obrigada mais uma vez, querida.

    Desejo bom Fim-de-semana
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Antes de mais, quero dizer-te que já me tinhas dito da boa recuperação da tua filha o que me deixou muito contente; faço ideia a tua aflição, Amiga!. Vai continuar a correr bem, com toda a certeza! Depois, quero agradecer-te o belo comentário aqui deixado, pois tocaste num ponto fundamental, não só em relação ao ferrador, mas também em relação a todas as oitras profissoes: falar com eles " olhos nos olhos, mostrando a nossa admiração, respeito por uma profissao tão nobre e também o nosso reconhecimento". " Esta lingua toda a gente entende " e é importante que a saibamos usar. Um beijinho e obrigada!
      Emilia

      Eliminar
    2. Corrigir ...outras... profissões.
      Emilia

      Eliminar
  18. Bom dia, existem dois tipos de sorrisos, o natural que é lindo, simpático e contagiante, que é, universal e facilmente compreendido, depois existe o sorriso de ocasião, automatizado, sintético, enganador e interesseiro, que serve apenas para atingis os fins planados.
    Interpretei á minha maneira o lindo poema que desconhecia, confesso que desconheço quase todos, conheço pouco e somente de poetas populares portugueses, por exemplo o seguinte:

    O poeta é um fingidor
    Finge tão completamente
    Que chega a fingir que é dor
    A dor que deveras sente
    Pessoa.



    AG


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens razão, António, mas, mesmo aquele sorriso interesseiro, fingidor, conseguimos distinguir se estivermos atentos e temos de estar para não sermos enganados. Obrigada por teres deixado aqui a quadra de Pessoa, embora conhecida, enriquece o post. Beijinho, António e tudo de bom, para ti e para os teus.
      Emilia

      Eliminar
  19. Lindo poema, desconhecia o escritor, muito obrigado pela partilha.
    Bom domingo
    Beijinhos
    Maria
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aprendemos as duas, pois eu também não o conhecia, Maria. Obrigada pelo carinho da visita e desejo - te saúde, pois ela é fundamental. Um beijinho
      Emilia

      Eliminar
  20. O poema també, me agradou muito.


    Minha querida, te desejo um feliz Fevereiro e uma excelente semana

    Abraço carinhoso

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É sempre um gosto ver-te por aqui, São. Desejo-te muita saúde e agradeço-te a visita carinhosa. Um beijinho
      Emilia

      Eliminar
  21. Oi Emilia! Que bom que troxestes mais uma de nossas joias da literatura! O falecido Ledo Ivo não se cabia dentro de si mesmo. No céu de Lêdo, todas as estrelas eram vistas a olho nu, tamanha clareza que cultivava no que escrevia. Parabéns por mais uma bela postagem. Grande beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Beto. Não conhecia este escritor, mas fui pesquisar, graças ao Pedro Luso e gostei muito. Este poema encantou- me. Beijinhos, amigo e fica bem, principalmente com saúde e alegria.
      Emilia

      Eliminar
  22. Não conhecia o poeta.
    O poema é maravilhoso
    Obrigada por partilhar
    Beijinho

    ResponderEliminar
  23. Obrigada, Cinderela! É sempre muito bom ver-te por aqui. Um beijinho e um bom fim de semana
    Emilia

    ResponderEliminar
  24. Olá, querida Milinha!

    Espero k estejam todos bem e felizes, incluindo a tua mãe e a Florzinha, k já vai fazer 5 meses, creio. Daqui a pouco está na escola. É tudo tão rápido!

    Não conhecia este poeta e nem fui ainda pesquisar sobre ele e sua obra, mas fá-lo-ei logo k possa.

    De facto, ele tem razão. Todos sorrimos no mesmo idioma e que bom seria se todos nos entendêssemos, mesmo não falando a mesma Língua.
    Precisamos todos uns dos outros e por sabermos disso, deveríamos ter uma postura social universal, amiga e correta, mas qual quê!

    Qto ao meu blogue, pois é todo namoradeiro, e só aniversaria a 14, Dia dos Namorados, mas o teu é já amanhã. Passarei, depois por cá.

    Grata pela tuas visitas e comentários deixados.

    Beijinhos para ti e restante família.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Ceuzinha, por aqui tudo " satisfatório ", como costumas dizer e espero que contigo aconteça o mesmo. A " Florzinha " ( assim batizada por ti...) fez 4 meses e não cinco, mas, é como dizes, o tempo passa depressa e daqui a pouco " está na escola ".
      Este poeta também me era desconhecido por completo, mas, é assim, os blogues também servem para ensinar, se estivermos dispostos a aprender, não é verdade? Pois é, Céu, agora eu recordo que é sim, no dia 14, que estão de parabéns, o teu e o da Mariazita. Estarei nos dois para comer uma fatia de bolo; posso chegar atrasada, mas sei que guardarás um pedacinho para mim. Amiga, obrigada por teres aparecido ( já estava com saudades..) e desejo-te tudo de bom, principalmente com as tuas mãozinhas. Um beijinho e uma boa semana
      Emilia

      Eliminar
  25. Olá, amiga!
    Concordo consigo.
    Mas, muitas vezes o poeta fala (ou chora), em língua estrangeira...
    Saudações poéticas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Vieira! Que bom ver-te por aqui, amigo! Os poetas têm essa capacidade, conseguem usar várias linguas ao mesmo tempo e torna-se muitas vezes dificil a compreensão da poesia; servem-se das metáforas e outras figuras de estilo para camuflarem as suas ideias, parecendo até que estão a usar " lingua estrangeira " , mas, pensando um pouco conseguimos entendê-lo, ou melhor, somos capazes de fazer uma interpretação, pois o que o poeta sente ao escrever, só ele sabe. Amigo, espero que esteja tudo bem contigo e com os teus e que apareças mais vezes. Um beijinho
      Emilia

      Eliminar
  26. Olá, querida amiga!

    Como estás? Por aqui, tudo normal.

    Afinal, o teu blogue faz anos, amanhã, dia 11. Iniciaste-o em 2009, portanto faz 10 anos de bom e são convívio, amanhã.

    Beijinhos e até amanhã.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi Céu. Vi que te tinhas enganado, mas também percebi que ias dar pelo engano e aqui estás tu a confirmar isso. Obrigada, amiga, e, amanhã, se não puderes vieres à festa, mando-te uma fatia de bolo, certo? Agradeço te também a colaboração que tens dado a este meu cantinho, pois é assim que ele se mantem vivo. Beijinhos e boa noite
      Emília

      Eliminar