quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

VAMOS RECORDAR ?




 Viver assim: sem ciúmes, sem saudades,
 Sem amor, sem anseios, sem carinhos.
 Livre de angústias e felicidades,
 Deixando pelo chão rosas e espinhos;

Poder viver em todas as idades;
Poder andar por todos os caminhos;
Indiferente ao bem e às falsidades,
Confundindo chacais e passarinhos;

Passear pela terra, e achar tristonho
Tudo que em torno se vê, nela espalhado;
A vida olhar como através de um sonho;

Chegar onde eu cheguei, subir à altura
Onde agora me encontro - é ter chegado
Aos extremos da Paz e da Ventura!

Antero de Quental in " Sonetos "

Para mim foi mesmo um " RECORDAR ", pois há muito, muito tempo não lia nada da obra deste nosso grande escritor. Espero que gostem!

Emília Pinto

47 comentários:

  1. https://poemasdaminhalma.blogspot.pt
    Boa noite Emília Pinto, passei aqui e gostei desse lindo poema de Antero de Quental. Sem dúvida, tal como o poema diz, se tudo fosse perfeito teríamos um mundo melhor...adorei!
    Beijinho e continuação de semana.
    Luisa fernandes

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Luisa. Fico muito contente que tenhas gostado deste meu post e espero que voltes mais vezes. Tudo de bom, amiga! Um beijinho
      Emilia

      Eliminar
  2. Poema lindo esse e também pra mim foi um recordar. Valeu! beijos, lindo dia! chica

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que bom, Chica!!! De vez em quando temos que recordar assuntos já esquecidos e foi o que resolvi fazer. Beijinhos amiga e espero que estejas a curtir uma boa praia.
      Emilia

      Eliminar
  3. Bom dia. Excelente publicação. Bom demais. Adorei

    Hoje:- Silenciada nas águas do rio.
    .
    Bjos
    Votos de uma feliz Quinta-Feira.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Larissa. Que bom que gostaste. Um beijinho e até breve aí em tua casa.
      Emilia

      Eliminar
  4. https://poemasdaminhalma.blogspot.pt/
    Bom dia Emília, Obrigada pela sua visita, amei as suas simpáticas palavras. Concerteza que voltarei mais vezes, já estou a seguir.
    Beijinho e volte sempre é um prazer.
    Luisa Fernandes

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Luisa. Voltare sim ao teu cantinho. Um beijinho e que a vida te dê muitos momentos felizes. Beijinho
      Emilia

      Eliminar
  5. Se vivêssemos assim...sem guerras, egoísmo,traições e afins....tudo seria melhor...
    Obrigada pela partilha...
    Até já
    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Seria muito melhor, Marta, mas já não acredito nisso e penso que ninguém tem a esperança de ver um mundo pacífico. Obrigada, Marta. Um beijinho
      Emilia

      Eliminar
  6. Querida Emília

    É sempre muito bom ler Antero de Quental, um dos nossos melhores poetas. Muito sofrido, mas há sempre nos seus versos uma magia que nos envolve.

    Este soneto traz-me sentimentos díspares. Se por um lado me parece uma fuga àquilo que faz parte da vida, isto é, aceitá-la e vivê-la com os seus altos e baixos, por outro ele chega a um "bom porto", mesmo carregando essa negação.

    Desejo que estejas de saúde junto aos teus.

    Beijinhos

    Olinda

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo contigo, Olinda! Dado o sofrimento interior em que vivia talvez ele desejasse simplesmente viver, sem qualquer tipo de preocupação, mesmo a nível afectico, mas, claro, como isso não é possivel decidiu simplesmente " não viver " Claro que só ele sabia o que lhe ia na alma e a nós resta-nos interpretar. Gostei de recordar este nosso escritor, amiga. Um beijinho e tudo de bom para todos.
      Emilia

      Eliminar
  7. Eu gostei. Conheço muito mal o poeta Antero de Quental, pelo que agradeço a partilha.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estás como eu, Elvira! Estudei-o mas depois caiu no meu esquecimento. Gostei de o recordar e fico contente que o mesmo tenha acontecido contigo. Beijinhos
      Emilia

      Eliminar
  8. Excelente partilha!
    gostei muito de reler Antero de Quental. aqui.

    beijo, amiga

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que bom, Manuel! Como ja disse acima, eu também estava bastante esquecida deste nosso escritor e por isso resolvi recordá-lo. Um beijinho e um bom fim de semana.
      Emilia

      Eliminar
  9. Espectacular partilha, Emília, um poema que não conhecia, e que adorei em toda a linha, descobrir, por aqui...
    Nirvana... um dia... chego lá! Ainda ando a aperfeiçoar, essa parte do desprendimento total... em relação a todas as angustias e felicidades... por enquanto... ainda não está fácil!... :-D
    Adorei, Emília! Um beijinho grande! Bom resto de semana!
    Ana

    ResponderEliminar
  10. " Nirvana...um dia chego lá. ..." também eu digo a mesma coisa, mas não sei se algum dia conseguirei essa " façanha " . Consegue-se sempre algum tipo de desprendimento, principalmente quando vamos ficando mais maduros, mas evitarmos os altos e baixos da vida, as angústias e as dores próprias do dia a dia acho impossível; isso seria não viver, não ? Vamos, pelo mentos, tentando o desprendimentos daquelas coisas que não interessam e às quais, muitas vezes, damos demasiada importância. Essas, sim, têm que ser banidas da nossa mente, por mais dificil que seja. Ana, muito obrigada pelo belo comentário e desejo-te um bom fim de semana. Beijinhos
    Emilia

    ResponderEliminar
  11. Lindo Vídeo e lindo poema! Portugal é berço de grandes poetas a começar por Camões... Florbela... Fernando... Bocage... Zé Carlo Ary dos Santos... Creio que tudo começou com Don Dinis, o Rei trovador. Parabéns pela postagem! Grande abraço. Laerte.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, Laerte, somos um país pequeno, mas com muitos e grandes poetas e escritores. Fico contente que tenhas gostado , amigo. Um beijinho e obrigada pela visita.
      Emilia

      Eliminar
  12. OI EMÍLIA!
    QUE COISA LINDA!
    UMA PARTILHA DE ENCANTAR.
    ABRÇS
    https://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que bom, vê-la por cá, Zilani...ja estava com saudades!! Concordo, amiga, este poema é muito bonito e ficou ainda melhor declamado. Desejo-te uma boa semana e muita saúde para todos. Obrigada! Um beijinho
      Emilia

      Eliminar
  13. Olá, Emília!
    Há muito tempo esquecida de Antero de Quental, foi gostoso ler o poema que escolheste.
    Amiga, bela postagem.
    Beijo e bom fim-de-semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estás como eu, Teresa, muito esquecida também deste nosso escritor. Foi bom recordá-lo. Obrigada pela visita, querida amiga. Desejo-te uma boa semana, claro, sem gripes. Um beijinho
      Emilia

      Eliminar
  14. Oi Emília
    Eu nem me lembrava da última vez que li um poema desse grande escritor. E foi um deleite desfrutar de tão encantadores versos
    Uma escolha ímpar essa sua partilha minha querida
    Um afetuoso abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Gracita, pela visita. Gostei muito de te ver por aqui e ainda mais por te ter agradado com a minha publicação. Uma boa semana, principalmente com saúde para todos aí em casa.Um beijinho
      Emilia

      Eliminar
  15. Ao ler este poema, também me lembrei que há muito tempo não leio Antero de Quental. Hei-de pegar no livro dele.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E eu vou aproveitar para rever outros poemas dele. Beijinhos, Graça e muito obrigada pela visita. Dias felizes, amiga e até breve,
      Emilia

      Eliminar
  16. O austero Homem com o seu cunho de romances históricos com belíssimas dissertações poéticas , triste mas que nem por isso não cante a vida com os contraste de que é feita . Escritor poeta do nosso programa e que marcou a nossa formação
    Como gostei de recordar , EMILIA !!
    Beijinho grande com desejo de que vás podendo saborear a vida .
    Quem cá fica , precisa de ver flores 💐💖💖

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, querida Manuela, " escritor poeta do nosso programa e que marcou a nossa formação ", mas, como já disse acima, tão esquecidinho por mim. Mas agora vou recordá-lo, lendo mais algumas obras, prometo!. Beijinhos, amiga e uma boa noite, com a protecção do teu Anjo Azul
      Emilia



      Eliminar
  17. Olá, Milinha!

    Confesso que não conhecia este poema de Antero de Quental, mas atendendo ao "curriculum vitae" este escritor, não sei se o escreveu em fase "alta" ou "baixa, visto sofrer de bipolaridade. Pela leitura do soneto, parece que estava mto feliz e que tudo eram rosas, mas... não sei. É que viver sem saudades, sem amor... não é mto normal, nem nos devemos sentir bem, acho eu.

    Na quadra seguinte e tercetos, parece que atinge o auge, o auge do seu auge, mas acho exagerada e doentia a atitude. O poema é mto animador, parece que tudo sempre lhe correu às mil maravilhas, o que não aconteceu, embora tenha viajado mto e se juntado à malta socialista da época.

    Nirvana, pois, essa banda rock norte americana ainda não existia, mas o Budismo, talvez. Creio que será difícil chegar a esse patamar de ultrapassar o sofrimento e o aceitar, tao tão naturalmente. Não mudamos de um momento para o outro, mas seria mto bom, k isso acontecesse.

    A partir da próxima semana vou dar descanso às minhas mãos por uns tempinhos. A falta está justificada (rs).

    Beijinhos e dias "nirvanos".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo contigom Céu, viver assim como ele desejaria, não é vda, não é possivel, creio. Seria uma negação a ela, uma letargia insuportável e foi isso talvez que o levou ao suicidio. Eu tambem não conhecia este poema, aliás, estava completamente esquecida da obra desta nosso escritor e por isso fesolvi recordá-lo. Foi bom, pois avivei a memória a outros amigos. Vi que mudaste a tua foto no blog e que já mostras um pouco mais do rosto o que é bom; assim conseguirei descobrir-te algures por aí. Quem sabe? Amiga, cuida das tuas mãozinhas, mas não demores, certo? Fazes falta por aqui. Um beijinho
      Emilia

      Eliminar
  18. https://poemasdaminhalma.blogspot.pt/
    Boa tarde Emília, obrigada pela gentileza. Quem dera amiga que a vida fosse assim tão simples, na verdade teríamos um mundo melhor...sem tabus nem preconceito, onde ódio nem maldade houvesse só amor prevalecesse. Lindo gostei.
    Beijinho e ótima tarde.
    Luisa Fernandes

    ResponderEliminar
  19. Obrigada, Luisa ! Infelizmente não é assim e temos de aceitar, fazendo o nosso melhor para que alguma coisa mude. Um beijinho e fica bem.
    Emilia

    ResponderEliminar
  20. Querida Emília

    Saúde e boa disposição, para ti e para os teus.

    Escrevi a resposta às perguntas do teu comentário no "Bordando os dias (IV)".

    Beijinhos

    Olinda

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Olinda! Já li a tua resposta e, como já escrevi lá, adorei o motivo que te levou aos teus " bordados ". Um maneira muito criativa de homenagear essas pessoas. Só uma sensibilidade como a tua poderia originar essa maravilhosa ideia. Agradeço-te muito. Um beijinho e sei que não deixarás de lado, para sempre, esses teus " bordados ".
      Emilia

      Eliminar
  21. Oi Emilia! Que poema lindo e gostoso de se ler,Acaricia a alma quando as palavras nos tocam fundo com seus sentidos. Portugal é terra de muitos escritores famosos, e por aqui eles tem tambem seus admiradores. Obrigado por tão bela partilha, e me fazer conhecedor de mais um grande e belo texto. Estou feliz por ter voltado, e lhe desejo muita força e saúde minha querida. Abraço apertado e um grande beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, Beto, Portugal é muito rico em escritores e poetas, mas olha que o Brasil não lhe fica atrás com os seus escritores, poetas e músicos fantásticos; portanto , meu amigo, a lingua portuguesa é riquíssima, não só no aspecto linguistico, mas também em literatura. Fiquei muito contente por te ter dado a conhecer mais uma obra de um grande escritor. Um bom fim de semanz e muito obrigada pela simpatia e carinho. Um beijinho
      Emilia

      Eliminar
  22. Respostas
    1. Classificaste-o muito bem, Gil, é fantástico, sim! Falta só saber se foi composto no escuro, mas isso pouco importa, não é? Obrigada pela visita. Um bom fim de semana.
      Beijinho

      Eliminar
  23. Que maravilha de post.
    Uma música perfeita para o belíssimo poema de Antero de Quental.
    Emília, hoje fiquei super admirada pois pensava que já a seguia à muito tempo e afinal não. Já corrigi a minha falta.
    Bom fim de semana
    Beijinhos
    Maria de
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fico muito contente que tenhas gostado, Maria. Quanto a seguires o começar de novo, claro que já há muitos anos fazes parte desta familia e nem tinha reparado que não constavas nos seguidores; isso pouco importa. O que me alegre é ver-te cá sempre ajudando o meu cantinho a seguir em frente. Obrigada, amiga, Apesar do tempo bastante mau, desejo que tenhas um bom fim de semana . Beijinhos e até breve
      Emília

      Eliminar
  24. Querida Emília
    Gostei muito de relembrar Antero de Quental que, confesso, há muito tempo não lia.
    "Dissecar" poesia, como alguns pretendem, pode ser um erro crasso.
    Antes de mais devo dizer-te que Antero de Quental tem (teve) para mim uma grande virtude - foi, acima de tudo, um sonetista. E eu adoro sonetos, que considero a forma mais difícil (e não acessível a todos) de escrever poesia.
    Este "Nirvana" apresenta-nos um "ideal de vida" de que discordo em absoluto. Considero que esse viver é... vegetar. A vida tem que ter emoção, alegrias e desgostos, acção e calmaria, altos e baixos.
    Para mim não é conclusivo do seu estado de espírito (seu, de Antero, claro!).
    Não esqueçamos que "o poeta é um fingidor", embora, quando escreve, ponha, nas suas palavras, algo de si mesmo. Contudo... pode, e geralmente é isso que acontece, transmitir sentimentos apenas momentâneos, e não representativos da sua verdadeira forma de pensar e/ou sentir.
    Desculpa, apesar dos dedinhos lesionados :))) alonguei-me demasiado. A culpa é tua... gosto muito de conversar contigo!

    Dias felizes te desejo.

    Obrigada pelos votos de melhoras dos meus dedinhos…

    Bom Fim-de-semana
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também acho, Mariazita, que " dissecar poesia " pode ser um erro, pois, além do poeta ser um" fingidor" não somos capazes de descobrir o que ele tinha na alma quando fez o poema. A única coisa que podemos fazer é " deitar para o papel " as sensações que tivemos ao ler o poema, mais nada. A vida como o Antero de Quental descreve aqui não existe, a vida nunca pode ser assmi, mas, dado o facto de ter-se suicidado prova que ele queria uma " não vida "; ele nem sequer queria existir, pelo menos é o que me parece ( não posso saber...). Quanto à boa " conversinha " que tivemos aqui, amiga, pena não podermos ter uma, muito mais longa , sentadas a tomar um chá, pois gosto muito de conversar; e então o que dizer do tamanho dos comentários que deixo por aí? São enormes, mas....tenho dificuldade em escrever pouco e adoro quando os amigos se alongam por aqui. Por isso, Mariazita, não quero que canses muito os teus dedinhos, mas, quando estiverem bons, aparece para continuarmos a comversa, certo? Obrigada e que tenhas uma boa
      semana , principalmente com os dedos a recuperarem bem. Um beijinho
      Emilia

      Eliminar
  25. O soneto , como todos do Antero, são obras prima, como a Mariazita, tb discordo desse modo de viver. gosto de gente perto de mim, de sorrisos , de alegria...
    Grata pela partilha!
    Tenha uma linda tarde!

    Bjs!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desculpa só agora responder, mas não tinha visto o teu comentário. Claro que viver assim como Antero escreve não é vida, mas ele era muito problemático e até se suicidou, por isso é normal, não e mesmo? Um beijinho e obrigada pela visita
      Emilia

      Eliminar
  26. Emília... há quanto tempo eu não lia Antero de Quental! E como achei lindo, e com a música de fundo, amiga, deu uma vontade de chorar, um nó na garganta... e não descobri o motivo da emoção. Lembro que um dia postei um poeta do romantismo, lá detrás, sempre gostei daquele poema. Um leitor comentou como eu podia postar algo que não estava mais na moda... Moda? Poesia tem moda? Poesia é emoção e emoção não tem momento, ela vem e pluft, emociona e pronto! Deletei o comentário, não por minha causa, mas não gostei da ofensa a um poeta, seja da época que for.
    Beijo, amiga.

    ResponderEliminar