quinta-feira, 5 de maio de 2016

AMÁLIA CANTA....





....A TROVA DO VENTO QUE PASSA

Pergunto ao vento que passa
 notícias do meu país
 e o vento cala a desgraça
 o vento nada me diz.

 Pergunto aos rios que levam
 tanto sonho à flor das águas
 e os rios não me sossegam
 levam sonhos deixam mágoas.

 Levam sonhos deixam mágoas
 ai rios do meu país
 minha pátria à flor das águas
 para onde vais? Ninguém diz.

 Se o verde trevo desfolhas
 pede notícias e diz
 ao trevo de quatro folhas
 que morro por meu país.

 Pergunto à gente que passa
 por que vai de olhos no chão.
 Silêncio - é tudo o que tem
 quem vive na servidão.

 Vi florir os verdes ramos direitos
 e ao céu voltados.
 E a quem gosta de ter amos
 sempre os ombros curvados.

 E o vento não me diz nada
 ninguém diz nada de novo.
 Vi minha pátria pregada
 nos braços em cruz do povo.

 Vi meu poema na margem dos rios
 que vão pró mar
 como quem ama a viagem
 mas tem sempre de ficar.

 Vi navios a partir (Portugal à flor das águas)
 vi minha trova florir (verdes folhas verdes mágoas).
 Há quem te queira ignorada
 e fale pátria em teu nome.


 Eu vi-te crucificada
 nos braços negros da fome.
 E o vento não me diz nada
 só o silêncio persiste.

 Vi minha pátria parada
 à beira de um rio triste.
 Ninguém diz nada de novo
 se notícias vou pedindo nas mãos vazias do povo
vi minha pátria florindo

. E a noite cresce por dentro
 dos homens do meu país.
 Peço notícias ao vento
 e o vento nada me diz.

 Mas há sempre uma candeia
 dentro da própria desgraça
 há sempre alguém que semeia
 canções no vento que passa.

 Mesmo na noite mais triste
 em tempo de servidão
 há sempre alguém que resiste
 há sempre alguém que diz não.

 Manuel Alegre, in 'Praça da Canção'

As minhas amigas Maria (.Lilasdavioleta )  e Mariazita ( A Casa da Mariquinhas ) escolheram este poema como um dos mais bonitos de Manuel Alegre. Como não o conhecia e como, creio, muitos dos meus amigos do Brasil também não o conheçam, resolvi partilhá-lo.

Amigas, agradeço-vos a " dica ", porque de facto é muito bonito. Cantado pela Amália fica ainda mais belo.

Emília Pinto

49 comentários:

  1. Amiga Emília agradeço as palavras deixadas no meu sítio .

    Foi um prazer conhecer -te .
    Beijo grande ,
    Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É isso que agradeço sempre ao começar de novo, ter-me permtido conhecer pessoas fantásticas, através das palavras cheias de sabedoria que colocam nos seus blogs. E assim te conheci a ti, com aquelas cores que tão bem escolhes para os temas que abordas. Obrigada Maria e desejo-te muita cor nos teus dias. Um beijinho
      Emilia

      Eliminar
  2. Para mim é , sem dúvida, o melhor poema de Manuel Alegre.
    tenho a certeza que ficou conhecido depois de o escrever e ser cantado.

    Beijinhos.

    Lisa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também me parece, Lisa! Apesar de pouco conhecer da sua obra, acredito que depois deste poema passou a ser muito mais conhecido no aspecto literário. Na realidade é muito bonito este poema e continua actual, infelizmente. Beijinhos, amiga e muita saúde.
      Emilia

      Eliminar
  3. Tão sentido...Carregado de dor, mas ao mesmo tempo, fala de esperança... E cantado pela Amália...Também gosto de a ouvir cantar "Barco Negro" de David Mourão Ferreira...
    Quanto ao Manuel Alegre, a poesia dele é poderosa...
    Obrigada pela visita
    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Marta. É um poema sentido que serve muito bem aos dias de hoje, infelizmente. Obrigada, amiga e fica bem. Um beijinho e até sempre.
      Emilia

      Eliminar
  4. Dois "monstros" da cultura portuguesa.
    Uma excelente escolha, por isso.
    Continuação de boa semana, querida amiga Emília.
    Beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E verdade, Jaime, dois " monstros " da nossa cultura que tenho o prazer de dar a conhecer , pricipalmente aos nossos amigos brasileiros. Fico contente que tenhas gostado e desejo-te tudo de bom, principalmente no que se refere à saúde, pois é o bem mais precioso que temos. Obrigada! Um beijinho
      Emilia

      Eliminar
  5. Gosto muito mas que me perdoem os fãs de Amália, gosto mais da interpretação do Adriano Correia de Oliveira, embora se bem me lembro a versão cantada não é o poema na integra.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ola Elvira. Talvez tenhas razão, Elvira, mas escolhi a Amália, por causa dos nossos amigos brasileiros;lá todos a conhecem e vão gostar de a recordar. Obrigada, Elvira pela visita e pela opinião. Gosto de conhecer as opiniões de quem me vista, pois é uma maneira de debate. Até breve lá no Sexta feira. Um beijinho
      Emilia

      Eliminar
  6. Que bom, Maria, que te agradou, Fico contente. Obrigada pela visita e até breve aí em tua casa. Um beijinho
    Emilia

    ResponderEliminar
  7. É lindíssimo este poema, Emília, eu já conhecia e cantado pela Amália, é maravilhoso!
    Os seus comentários, já estão no blogue, a Emília não os via, porque eu ainda não os tinha aprovado.

    Beijinho grande.

    ResponderEliminar
  8. É lindíssimo este poema, Emília, eu já conhecia e cantado pela Amália, é maravilhoso!
    Os seus comentários, já estão no blogue, a Emília não os via, porque eu ainda não os tinha aprovado.

    Beijinho grande.

    ResponderEliminar
  9. Olá, Emília.
    "Silêncio - é tudo o que tem
    quem vive na servidão" - seja lá qual for a forma de servir, o servir com o sentido mais cruel, que é o servir por rebaixamento, seja levemente curvado, seja de cócoras, é sempre deprimente para quem serve, por isso nem tem brilho no olhar para o erguer à luz, por isso leva o silêncio consigo.


    bj amg

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens toda a razão, Carmen! E hoje continua a haver pessoas obrigadas a " servir " e nessa servidão não existe qualquer possibilidade de brilho no olhar e sorriso nos lábios. Não sei se alguém dia veremos um mundo sem essa servidão. Carmen, muito obrigada pelo belo comentário e desejo-te uma excelente semana. Um beijinho
      Emilia

      Eliminar
  10. Querida Emília

    Há quanto tempo ausente, não é? Tenho tido uns problemazinhos de saúde que, entretanto, se vão resolvendo. E tu, como estás? E os teus pais estão bem?

    Gosto muito do poema e conhecia-o cantado por Adriano Correia de Oliveira. A grande Amália confere-lhe o seu toque inconfundível.

    Muito obrigada pelas tuas visitas e comentários.

    Um bom fim de semana.

    Beijinhos.

    Olinda

    ResponderEliminar
  11. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  12. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Espero sinceramente que estejas melhor e que esses problemazinhos depressa acabem, pois, por menores que sejam, incomodam sempre. Quanto aos meus pais, felizmente continuam estáveis o que já é muito bom, dada a idade. Desejo-te uma boa semana e agradeço-te a tua simpatia e palavras carinhosas. Um beijinho muito especial e as melhoras.
      Emilia

      Eliminar
  13. Respostas
    1. Como já disse, só conhecia o Manuel Alegre pelos meios de informação e da sua obra nao conhecia nada. Mas agora já conheço alguma coisa e estou a gostar. Muito obrigada, amigo e uma boa semana. Um abraço
      Emilia

      Eliminar
  14. Olá, Emília

    Que tenhas um fim de semana bom.
    E um dia das Mães, maravilhoso. Confesso, que não tenho mais a minha, ao meu lado aqui na terra. Mas, tenho a esperança de reencontrá-la um dia, em algum lugar de tempo e espaço, por que creio na ressurreição, em nome de Jesus Cristo.
    Um abraço, para você.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada, José Maria. Aqui em Portugal o dia da mãe ė festejado no primeiro domingo de Maio, mas, como considero que a mãe deve ser acarinhada todos os dias, agradeço-te de coração teres vindo cá dar-me os parabéns. Felizmente ainda tenho a minha mãe, com 86 anos que vive ai no Brasil e pt festejou o dia dela hoje mais uma vez, muito obrigada e desejo-te tudo de bom. Um beijinho
      Emilia

      Eliminar
  15. O poema é lindíssimo, mas a voz de Amália dá-lhe alma.

    Um beijinho, Emília, e um bom fim de semana :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fico muito feliz que tenhas gostado, amiga! É sempre bom quando as mensagens que partilhamos agradam. Uma boa semana e muito obrigada pela visita
      Emilia

      Eliminar
  16. OI EMÍLIA!
    REALMENTE O POEMA É LINDO DEMAIS E A AMÁLIA CANTANDO, É ALGO DE SE OUVIR EM SILÊNCIO ABSOLUTO DE OLHOS FECHADOS DEIXANDO ENLEVAR-NOS PELA CANÇÃO.
    ABRÇS AMIGA
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fico muito feliz que tenhas gostadom Zilani. Quando vivia no Brasil, pouco se conhecia da música portuguesa, mas a Amália todos conheciam e foi por isso que escolhi a interpretação deal para este poema. Obrigada, amiga e fica bem. Um beijinho
      Emilia

      Eliminar
  17. "Praça da Canção" foi um dos mais importantes livros da luta contra a ditadura .

    Agradeço-te estes belos momentos, Mila.

    E te abraço com carinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já tenho dois livros para comprar, este e aquele indicado pela amiga Mariazita. No verão leio muito, pois em vez de ficar na praia, costumo ler sentada num café, e nas pausas observar o mar . Por isso, São, obrigada pela " dica" e pela visita. Um beijiho e um bom fim de semana que, segundo dizem, vai ser com um tempo mais ameno. Até. ...
      Mila

      Eliminar
  18. Sem dúvida, Emília , uma das poesias mais significativas e musicais do Manuel Alegre que no exílio sentia ainda mais a saudade deste pedaço de terra a que pomos sempre defeitos mas que quando longe, algo nos gruta e chama e implora pela nossa presença. E de certeza que já sentiu bem na pele toda esta amálgama de sentimentos. Ora de "raiva" por não nos oferecerem o melhor que este país tem, ora por nos re( tirarem ) o que tantos sofreram para que tudo continuasse a ser o que era. Não falo de impérios, nem riqueza. Tão somente a paz a que temos direito e de que somos herdeiros por natureza. Mas a Novas deste(s) países resumem-se aos altos e baixos da bolsa. onde reina o interesse, egoísmo...não cabe o AMOR!
    Esperemos que um dia a brisa seja mais condescendente.
    Beijinho, Emília!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, Manuela, quando se está fora do nosso país, aprende-se a amå-lo mais e a dar valor a muitas coisas que antes não interessavam . Antes de ir para o Brasil nao gostava de folclore nem daquela música popular, aquela que começaram a classificar de pimba, mas quando por lá alguém a cantar esse género, meu Deus....como era bonita. O Roberto Leal por exempolo cantava muita música folclorica portuguesa e eu adorava ouvir. Penso que os emigrantes noutros países ainda devem sentir saudades maiores, porque no Brasil eu sentia-me em casa, primeiro por ser a mesma lingua e depois porque a cada canto se encontra um português, alem de que a maioria das pessoas que conheci lá tinham. tiveram familiares cá.
      Mas como bem dizes o mais importante é estarmos bem e com aqueles que amamos perto de nós. A propósito disto, Manela, muita gente me perguntava, quando regressei a Portugal, se eu gostava mais de estar no Brasil ou aqui; eu respondia que o que mais me importavam eram as pessoas e que, dado os meus pais e irmão terem ficado lá, claro que preferiria ter continuado no Brasil; não amo terra, casas ou países, amo as pessoas que lá estão e pt se pudessemos estar todos no mesmo pais, seria melhor. Mas a vida manda muito e tenho que aceitar o que ela decidiu, metade da familia lá e outra aqui; tenho pelo menos o prazer de ter duas pátrias. Obrigada, pelo belo comentário e desejo-te e um bom fim de semana, pelo menos com um tempo mais ameno. Beijinhos, Manuela.
      Emilia

      Eliminar
  19. Emília, desculpe por chegar ao teu espaço desta forma, sem convite. Sempre que o tempo permite leio também os outros comentários nos blogs que visito. E assim tem sido com os teus que me chamam a atenção por ter tido uma amiga de faculdade com o mesmo nome. Uma pessoa que fez o caminho inverso ao teu: saiu do Brasil e foi morar em Portugal. Lia os teus comentários e sempre tive vontade de te visitar, mas o tempo nem sempre permitia. Hoje, ao ver um pouco da tua história no espaço da Mariazita (A Casa da Mariquinhas) e aproveitando uma folguinha no trabalho, apressei-me em vir te visitar.
    Teu blog é um dos melhores que já conheci, pois nos traz postagens de múltiplos assuntos, e todos eles nos encantam. Sabes bem escolher textos de outros autores dando-nos a conhecer um pouco da sua história, enriquecendo assim os nossos conhecimentos.
    Teus próprios textos, também de aspectos variados, são primorosos, e nos traz aquele prazer que só uma boa leitura pode proporcionar. Posso dizer que aqui se encontra “de tudo um pouco”, mesclados em vídeos/textos/imagens, numa fusão que sabes bem como conduzir.
    Que belo poema escolheste para esta postagem! Conheço pouco do Manuel Alegre, mas o que tenho visto sempre me tem agradado. Este poema é magnífico! Bem como o anterior: AGORA MESMO.
    Da Amália Rodrigues conheço muito, pois é uma das fadistas que mais aprecio. O poema na sua voz nos trouxe uma magnífica interpretação.
    E assim dou por terminada esta visita “surpresa” que, confesso, me deu prazer por ter feito. Espero que não a tenha desagradado de todo, mas meu impulso se deve a um conceito próprio: aquilo que me chama a atenção merece um olhar mais atento.
    E foi isto que fiz, Emília, vim espreitar mais de perto este espaço onde, se me for permitido voltar, tenho certeza de que encontrarei um verdadeiro oásis para encantar o olhar e perfumar o coração.
    Despeço-me deixando para ti o mais lindo sorriso que pude encontrar num dos anjos que por aqui estavam a passear... Deixo também um punhado de estrelas para que possam iluminar (ainda mais) os teus caminhos, e um agradecimento pelos momentos deliciosos que aqui passei.
    Com carinho,
    Helena

    ResponderEliminar
  20. Emília, devo ainda um pedido de desculpas pelo alongado comentário, mas confesso que não sei usar a concisão quando deixo o coração falar. Como diz o ditado: falo mais do que pobre na chuva... (risos).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Helena, vou desculpar o que? Nem imginas o gosto que tive em " ver-te " aqui no meu começar de novo. Já te conhecia pelos blogs de amigos e sempre lia os teus comentários longos. Sou atraída por eles, pois em geral encontros opiniões sobre o assunto tratado em cada post. Claro que há pessoas que conseguem em duas ou três frases dizer o que pensam sobre a mensagem que se quer passar, mas, eu não sou capaz e sempre deixo verdadeiros " testamentos " por onde passo e, pelos vistos não sou só eu, não é Helena? Além de gostar de conversar , também gosto de mimos e aqui tu me deixaste tantos que nem sei como te agradecer; faço por deixar aqui no meu cantinho mensagens que façam refectir, que criem debate de ideias e os assuntos, são, na maioria das vezes, sobre problemas que me preocupam e que de certeza afligem também os outros. É dessa maneira que escolho os meus posts. Gostaria de ser eu a elaborar os textos, mas... não me sinto capaz disso e portanto uso " outras cabeças " para tirar aquilo que pretendo..
      Amiga Helena, ou melhor, Leninha, como te tratam, espero ver-te por aqui muitas vezes com esses comentários longos que me agradam muito e lá estarei aí na tua casa , sempre que puder e ... sem convite. Desejo-te um bom fim de semana, com muitos sorrisos e um céu azul celeste para que o sol apareça e alegre mais os teus dias,
      Beijinhos
      Emilia

      Eliminar
  21. Que poema lindo, Emília e nem preciso comentar a voz da Amália...
    Beijos, querida amiga!!!

    ResponderEliminar
  22. Muito obrigada, Shirley por ter vindo cá, Não a esperava, pois li o seu recado, mas fiquei feliz por ter interrompido a pausa para me visitar. Desejo que tenha um bom descanso e que não demore muito, pois os amigos começam a ficar com saudades.
    Beijinhos e até...
    Emilia

    ResponderEliminar
  23. Também acho que é muito bonito.
    um beijinho e um bom Domingo
    Gábi

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Gabi! É bom quando os posts agrada, boa noite e um bom domingo, de preferência com muito sol. Beijinhos e volte sempre.
      Emilia

      Eliminar
  24. Boa tarde, lindo poema do Manuel Alegre na voz da Amália,
    Vi florir os verdes ramos direitos
    e ao céu voltados.
    E a quem gosta de ter amos
    sempre os ombros curvados.

    Ombros curvado é a causa da submissão que alguma pessoas sem dignidade se sujeitam, desconhecem a luta, são solidários a quem os explora.
    A musica Cálice do Chico, foi divulgada no Portugal livre, é bastante conhecida, é um hino.
    Boa semana,
    AG

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sei se alguma vez vamos ver ombros que não precisem de se curvar, pois o dinheiro e poder sempre comandaram e assim é vai continuar; infelizmente é característica do ser humano. Obrigada, António e uma boa semana. Um beijinho
      Emilia

      Eliminar
  25. A voz única de Amália e um poema deslumbrante de Manuel Alegre.
    Tudo perfeito.
    Obrigada pela sua sinfoniaesol e pelo que disse sobre o
    Túnel do Marão.
    Um beijinho de muita amizade.
    Irene Alves

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Irene pelas palavras carinhosas. De facto o túnel do Marão me surpreendeu pela positiva; uma grande obra. Um beijinho e desejo-te uma bela semana.
      Emilia

      Eliminar
  26. Emília,

    Esta sua postagem começou bem, com a música, bela voz e a magistral interpretação dos fados que canta a nossa Amália Rodrigues. Ouço fado que frequência, e deixo-me envolver pela nostalgia que me provoca.

    Quanto ao poema “A TROVA DO VENTO QUE PASSA” espelha bem o que se passa na terra do poeta, Portugal. Não preciso dizer que é um poema da melhor qualidade, pois disso você sabe melhor que eu. Conheço muitos poetas portugueses, mas não conhecia Manuel Alegre. Vou ver se encontro o seu livro, “Praça da Canção”.

    Um bom final de domingo.
    Abraços.
    Pedro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não imaginava, Pedro , que ouvias fado com frequência ; foi bom ter escolhido a interpretação da Amália, pois para os brasileiros ela é mais conhecida. . Espero que encontres ai o livro que desejas, pois vais gostar, com toda a certeza. Obrigada e uma boa semana, amigo.
      Um beijinho
      Emilia

      Eliminar
  27. Emília!
    Agradeço a visita que trouxe muita lindeza ao meu coração. Muito obrigada!
    Carmem é uma pessoa cheia de luz, e agradeço muito de ter uma pessoa como ela entre as palavras que trocamos aqui nesse mundo de blogs.

    Um imenso abraço com todo carinho, também acompanharei seu blog!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada,Gabi, pelo carinho. Esta troca de experiências através ros blogs é muito gratificante; mesmo sendo só pelas palavras, conhecemos pessoas fantásticas e ficamos mais ricas com as mensagens que cada uma delas transmite nos posts que publica. Quanto à Carmem é uma pessoa maravilhosa que além de nos fazer refetir muito com o que tão bem escreve, faz questão de divulgar os cantinhos dos aigos, divulgação essa que é uma gentileza e um mimo muito gratificantes. Precisamos tanto de gentileza não
      Gabi? O mundo todo precisa. Amiga, uma boa semana e um beijinho de grande amizade
      Emilia

      Eliminar
  28. Querida Emília, talvez seja o momento difícil que estamos passando no Brasil, há anos, mas me emocionei com esse poema de dor de Manuel Alegre - que eu não conhecia o poeta. Uns sentem mais; outros menos.

    "Levam sonhos deixam mágoas
    ai rios do meu país
    minha pátria à flor das águas
    para onde vais? Ninguém diz."

    depois...

    Mesmo na noite mais triste
    em tempo de servidão
    há sempre alguém que resiste
    há sempre alguém que diz não.

    Beijo, amiga! Maravilhoso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O mundo todo está passado por momentos conturbados e coisas que achavamos terem acabado, estão aí toda a força, como sejam o trabalho escravo, o trabalho infantil, guerras tamanhas , execuções sumárias, enfim ....acções que nos envergonham em pleno sec XXI. Por isso Tais, é que poemas destes, infelizmente continuam actuais e, creio, só terminarão quando se extinguir a raça humana. Muito obrigada, amiga e uma boa semana. Beijinhos
      Emilia

      Eliminar