terça-feira, 22 de abril de 2014

ACEITAÇÃO



No seu blogue Christophe André fala-nos dos fenómenos com que somos confrontados, ao longo da nossa vida, que nos ultrapassam. Podem ajudar-nos, fazer-nos crescer, mas também nos podem magoar, destruir e fazer sofrer.
 "Alguns fenómenos são exteriores: podem tratar-se de forças da natureza, como o vento, ou uma cadeia de acontecimentos a que alguns chamam destino. Outros ocorrem dentro de nós: toda a nossa vida emocional – amor, medo, tristeza, cólera. Será ilusório pensar que estão, totalmente, sob o nosso controlo. Tal como o vento, as nossas emoções são poderosas, são forças que não se detêm. Evidentemente, não as podemos guardar dentro de uma caixa.
 Será que não temos outra alternativa senão a de nos resignarmos? Não, necessariamente. Aceitação não é renúncia. O vento que destrói tudo aquilo que lhe faz frente é o mesmo que faz girar os moinhos, ou avançar os barcos. Se aceitarmos que é mais forte do que nós e se reflectirmos naquilo que nos pode trazer, compreenderemos que o bom caminho não será o de o prender numa caixa, mas sim de saber tirar o que de melhor nos pode oferecer." Aceitar não significa não-agir, mas agir melhor.
Estamos habituados a lutar contra a realidade que, de alguma forma, nos incomoda, a reagir impulsivamente a tudo o que nos provoque qualquer tipo de contrariedade. Gostaríamos de prender numa caixa as emoções que nos perturbam. Além de ilusório, seria muito arriscado.

 As nossas emoções só nos podem servir em liberdade, em aceitação. Não podem ser suprimidas, ou aprisionadas. Só assim podemos ser “moleiros” do nosso destino.

BY Teresa Ferreira - in, Bem-Estar-Juntos


Sabemos que não é fácil, amigos, mas também temos a certeza de que a única coisa que podemos fazer é desenvolver a nossa capacidade de ACEITAÇÃO,  tentando a cada dia " SER OS MOLEIROS DO NOSSO DESTINO " 

Emília Pinto

33 comentários:

  1. Pelo menos, devemos tentar sermos mesmo os moleiros do nosso destino...
    Um magnífico texto, gostei.
    Emília, minha querida, tem uma boa semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Nilson. Há certos factos que, por mais que tentemos não conseguimos mudar e tentar o que é impossível é " remar contra a maré " e isso só nos deprime e aborrece. Como se costuma dizer: " o tem de ser tem muita força! " Muito obrigada, amigo e que os teus dias tenham muitos momentos felizes, principalmente saúde. Um beijinho
      Emília

      Eliminar
  2. Adorei o texto. Ajudou-me a reflectir nos " fenómenos" com que tenho sido confrontada!
    Sei que tenho que arranjar força para os suavizar...

    Beijinhos.

    Lisa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também eu, querida Lisa, tenho que arranjar forças para aceitar o que não depende de mim para mudar. Penso que na vida de todos nós há " um fenómeno " com que temos de nos confrontar e de alguma forma o aceitar, porque não temos alternativa.
      Beijinhos e muito obrigada pela visita. Muita força !
      Emília

      Eliminar
  3. Um texto muito bom. Quem dera ter forças para ser sempre o moleiro do nosso destino.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É isso que todos pedimos, Elvira: " muita força para conseguirmos ser " o moleiro do nosso destino " O melhor que te posso desejar é que consigas sempre essa força. Beijinhos, amiga!
      Emília

      Eliminar
  4. Excelente devemos sempre seguir nosso destino...
    Beijo Lisette.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada, Lisette! Seguir sempre o nosso destino com a aceitação que ele exige. Fica bem, amiga e muito obrigada pelo carinho. Beijinhos
      Emília

      Eliminar
  5. Ás vezes, mergulhamos no mais profundo dos abismos e aprendemos que, para regressar à tona, temos que seguir o curso da água. Sobrevivemos e depois conseguimos continuar a andar...Já passei por isso e se foi complicado...
    Excelente texto para reflectir
    Obrigada
    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Todos nós já passamos por períodos menos bons nos quais " mergulhamos " desesperançados e sofridos, mas, depois chegamos à conclusão que temos de seguir em frente, aceitando. É muito complicado, mas tem de ser! Beijinhos, Marta e muito obrigada pela visita. Um bom fim de semana, apesar do " Inverno " que resolveu aparecer.
      Emília

      Eliminar
  6. Começamos por nos aceitar . E a partir dessa atitude o viver é menos doloroso .
    Um dia de cada vez , sem braços caídos , mas sem esbracejar e com a calma possível .
    E só assim , podemos chamarmo - nos , seres livres .

    Um beijo , Emilia ,
    Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, Maria, temos que começar por nos aceitarmos, assim, tal e qual somos, com os defeitos e qualidades e depois será muito mais fácil aceitar os outros e aceitar o que a vida nos reserva. Claro que nada disto é fácil, não é fácil aceitar que somos seres muito imperfeitos, aceitar os defeitos dos outros e mais difícil ainda é aceitar as dores e contratempos que a vida nos traz. Mas, há que tentar, pois além de não termos outra saída, será muito melhor para a nossa serenidade.. Um beijinho, Maria e muito obrigada pelo carinho. um bom fim de semana, apesar do frio e chuva e brevemente far-te-ei uma visita. Como já deves ter lido aqui, andei com amigos brasileiros a visitar o nosso país e o tempo não chegou para as minhas visitas. Agora, já estou mais livre e voltarei a visitar os amigos com a frequência habitual. Até breve!
      Emília

      Eliminar
  7. Querida Emília

    Muito obrigada pela tua visita e pelas tuas palavras tão amigas.
    Desejo-te uns dias muito bem passados com os teus amigos brasileiros. Conhecer Portugal com alguém que sabe dos recantos maravilhosos que por cá existem é maravilhoso.

    Neste post trazes-nos mais um texto que nos leva a fazer uma introspecção, avaliando os nossos sentimentos, as nossas emoções e a maneira como lidamos com elas. Aceitar as coisas que não conseguimos mudar e fazer o melhor possível em relação àquilo que está nas nossas mãos é muito importante. É um excelente exercício. Obriga-nos a reconhecer que somos apenas um ponto no grande universo que habitamos. Há que ter em conta os outros, as suas opiniões, a sua maneira de pensar. E procurar um equilíbrio.

    Beijinhos

    Olinda

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E é nesse " ter em conta os outros, as suas opiniões, a sua maneira de pensar " que deve residir também a nossa capacidade de aceitação, Olinda. Não é nada fácil, principalmente os factos da vida que dela são próprios e que são irreversíveis. Aceitar que a vida nos leva para sempre seres para nós importantíssimos é uma aceitação muito sofrida. Muitas vezes fisicamente aqui estão ainda, mas mentalmente já partiram e isso custa. Mas tem que ser. Os meus amigos já foram, não para o Brasil, mas para Lisboa e depois de alguns dias lá partem para o Brasil. ficaram encantados com o que viram e eu ogulhosa doas belezas que o nosso Portugal tem e que muitas vezes passam despercebidads. Muito obrigada, querida amiga. Espero que tenhas um resto de Domingo excelente e uma semana com este sol lindo que hoje fez o favor de nos visitar. Até breve lá no teu xailinho sedoso e macio. Beijinhos
      Emília

      Eliminar
  8. Na aceitação dos acontecimentos, sejam eles tristes ou alegres, está o controle de todas as nossas emoções. É claro que, tal como a natureza, por vezes há um certo descontrole que nos incomoda e até nos pode deixar doentes.
    Mas quando o nosso interior entra pelo caminho da disponibilidade, a aceitação é o remédio para a nossa vida. Trata-se de sublimar a dor e isso, a educação, a formação e, mais tarde, a idade...ajuda-nos mais depressa a entender que aceitação pode até (e deve) ser sinal de vitória.
    Um beijo carinhoso, minha querida
    Graça

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Principalmente a idade, Graça, nos leva a aceitar cada vez melhor o que a vida nos apresenta. E quando somos capazes dessa aceitação, há um sentimento de serenidade e até de " vitória ". Às vezes é até um acto de coragem aceitar certos desafios, conformando-nos com a nossa impotência para os mudar.Custa-nos a admitir a nossa pequenez, a nossa imperfeição, mas é isso que somos: pequenos e imperfeitos. Muito obrigada, Graça, pelo comentário tão assertivo que completa a mensagem que quis transmitir com esta mensagem, uma mensagem que não foi escolhida à toa; reflete, como sempre tento, aquilo que me vai na alma e tenho passado por momentos em que a Aceitação tem sido um dos meus exercícios diários. Tenhos conseguido alguma coisa, mas a luta continua. Não é fácil, amiga! Beijinhos e uma boa semana. Tenho andado um pouco ausente pelos motivos que, com certeza, já viste aqui, mas agora já estou mais disponível para visitar os meus amigos como eles merecem. Até breve lá no Zambeziana
      Emília

      Eliminar
  9. Aceitar só é renúncia quando se não entende a razão pela qual se aceita.
    Porque, quando se entende, a dor é mitigada no acto de aceitar e tudo se vai equilibrando, com lentidão, mas seguramente.
    Numa aceitação, porém, sem resquícios de revolta!...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Queria, afinal, dizer: "com resquícios de revolta".
      Mas...distraí-me. Desculpa.
      Deixo beijinhos.
      maria

      Eliminar
    2. Também concordo, Maria, a Aceitação é sempre " com resquicios de revolta, porque não somos humildes o suficiente para aceitarmos de outra forma. Isso, como diz a nossa amiga Manuela, no comentário abaixo " é para santos " e nós estamos longe de o sermos. Tentar já é muito, mas temos de o fazer. Beijinhos, amiga e muito obrigada pelo carinho da visita. Uma boa semana.
      Emília

      Eliminar
  10. Oi Emília, Boa Tarde,
    Acredito que a aceitação, é o tempo que damos a nós mesmos, para nos refazermos,olhando a situação por um outro ângulo, com mais calma, e podermos até reverter a situação, sem o desespero do momento. Sempre seremos acometidos por situações que fogem do nosso controle, na maioria das vezes emocional. Se nestes momentos aceitamos condições, decepções, mágoas, ou algo que nos desconcertou muito, em outro momento já superados dos traumas, veremos com clareza. é quando acontece a Resiliência. e possamos talvez superar tudo e como diz o ditado "Tirar leite de pedras".
    Adorei o Texto.
    Um lindo final de semana .
    bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Depois de uma certa raiva que nos acomete, paramos, refletimos e depois já somos capazes de olhar " a situação por outro angulo " conseguindo até " reverter a situação. Claro, há aqueles casos em que só a vida tem o poder de mudar e, mesmo nesses casos a fúria chega., porque a dor, a frustração dilaceram qualquer coração, mas temos que aceitar a nossa pequenez face a esses factos e, como bem dizes seguir em frente e " tirar leite de pedras " Não conhecia este ditado, Lourdinha, mas combina bem com a Resiliência que todos devemos adquirir. Muito obrigada, amiga e desejo-te uma bela semana. Brevemente lá estarei no teu cantinho. Vai preparando o café, certo? Beijinhos
      Emília

      Eliminar
  11. Querida amiga,
    como sempre os posts de Começar de Novo são de tal forma abrangentes que de tanto "grão" não há moleiro que aguente o roçar monótono da mó a não ser que quebrado pela cachoeira da água que sorri, que canta; tanta coisa para se dizer!
    Aceitação! Ui! Mas é a base de toda uma forma de estar na vida que uma vez compreendida, penso que nunca mais se sofrerá da mesma forma. O que leva o Homem ao desespero, à cobiça, à guerra, a um permanente mau estar senão a não aceitação dos diversos cambiantes da vida? Aceitar é ser grande, é ser compassivo, é ter o perdão na próxima curva. Gostava de poder ter a virtude de aceitar sem rumorejar, sem "praguejar", mas só para os santos, Emília! Tanta "coisa" que não aceitamos por ir precisamente contra os princípios que nos norteiam, contra o que julgamos ser ultrajante. Como aceitar a revolta? sei! Com a humildade da ACEITAÇÃO!
    Tanto "pano para mangas"!
    Lamento essa partida tão penosa que nos deixa a pensar o quanto a vida é pequena. E custa a aceitar.
    Mas a estrada tem todos os matizes para nos convidar a pousar os olhos noutras cores, acompanhar outros que ficam no apeadeiro para continuar viagem. Como esses amigos. E faz-se de conta que tudo esta no seu lugar. E ACEITA-SE!
    Um UPA, Emília!
    Desculpa os atrasos mas nem sempre consigo apanhar o trem! Mas sei que os AMIGOS me esperam. Estarei na próxima carruagem!
    Abraço, minha amiga!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como sempre, querida Manuela, os posts do Começar de novo tentam ser um espelho do que vai na alma de quem os publica e últimamente nessa alma tem-se travado uma grande luta onde a tristeza...a compaixão, a mágoa e a tal da aceitação se degladiam para ver quem vence. Tem sido uma luta difícil, mas acabou por vencer a aceitação; venceu só a primeira batalha, porque a luta continua e continuará por muito tempo, creio, mas esse tempo ajudará para que ela vença as batalhas que faltam; ele é nosso aliado e nunca nos falta quando dele precisamos.. Também penso que o " aceitar sem rumorejar, sem praguejar, é só para santos, Manuela e há certas coisas que nunca devemos aceitar, como as injustiças sociais, o poder " ultrajante " dos que se acham mais do que os outros e a humilhação dos que já tem poucas defesas, como os idosos e as crianças. A falta desses valores devemos sempre mostrar a nossa indignação, mesmo que sejamos obrigados a aceitar.
      Obrigada, Manuela pelas palavras carinhosas e, como dizes, a minha amiga partiu, mas ficaram outras pessoas no apeadeiro, como por exemplo a minha cunhada que cá veio de propósito para ver ainda a irmã viva, as filhas, o marido e outros tantos amigos. Aceita-se e atenua-se a dor com a certeza de que o sofrimento dela terminou. Os amigos esperam sempre até porque esses amigos precisam de palavras como estas que os aconchegam lhes aquietam a alma. A mim, nesta altura, são um verdadeiro abraço, daqueles bem apertados. Muito, muito obrigada e uma feliz semana. Beijinhos
      Emília

      Eliminar
  12. Minha querida

    Um texto que nos leva a reflectir em como aceitamos aquilo que não podemos mudar. Mas por vezes é difícil aceitar sem revolta e há tanta coisa que não podemos nem devemos aceitar, mas temos que tentar e aprender a ceder.

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como disse na resposta ao comentário acima, há certas coisas que nunca devemos aceitar, embora sejamos forçados a isso, pois somos pequenos demais para mudar certos desmando do poderosos; no entanto a nossa voz deve sempre ser ouvida a favor de certos direitos dos seres humanos. Porém outras há que não está nas nossas mãos o poder de alterá.las e aí, mesmo com mágoa, sofrimento e revolta temos que nos resignar e aceitar. Há certos acontecimentos que só a vida tem poder sobre eles e se não soubermos ultrapassar, aceitando-nos o nosso dia a dia torna-se um verdadeiro inferno. Muito obrigada, Rosa pelo carinho e as minhas desculpas pela ausência aí em tua casa. Brevemente retornarei às visitas aos amigos com a frequência que eles merecem. Um beijinho e uma boa semana
      Emília

      Eliminar
  13. Emília,

    às vezes eu me revolto comigo mesma por aceitar demais as coisas como elas sao por certa incapacidade de modifica-las; eu me refiro ao que não concordo, do que não quero realmente para mim, mas não tenho ou não encontro condições de mudar por forças contrárias. Então, para sofrer menos, resigno-me. Se este for o caminho para ter paz, que seja.

    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que é esse o caminho para ter paz, Sissym. Nessa aceitação há sempre um pouco de revolta, mas,se não está nas nossas mãos o poder de mudar, então aos poucos e com uma luta diária vamos conseguindo aceitar e assim a serenidade chega. Beijinhos, amiga e uma boa semana. Obrigada.
      Emília

      Eliminar
  14. E cá está o verdadeiro 3 em 1: palavras da Teresa no blogue da Emília e da Hermínia! :-)
    Espectáculo!!! :-D
    Beijos grandes a todas as flores! :-) <3

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E agora tem mais uma flor, rara, mas sempre bela e bem-vinda. Que bom, Sonia! Não é a 1ª vez que coloco aqui publicações da nossa amiga Teresa e não será com certeza a última. Muito obrigada pelas " flores " e pelo carinho. Volta mais vezes, sim? Um beijinho grande.
      Emília

      Eliminar
    2. Assim o farei querida Emília! :-)
      Sim, porque isto de ser chamada "flor rara" (e não ave! ;-P) é sempre bom e merece recompensa!
      Confesso que me escaparam as outras palavras da Teresa, mas um dia destes virei cá procurá-las todas! :-)
      Beijos grandes! <3

      Eliminar
    3. Obrigada, amiga! Beijinhos e que os teus dias sejam sempre floridos.
      Emília

      Eliminar
  15. Aceitação custa, quando perdemos alguém que nos é querido.
    Mas com coragem e fé, enquanto tivermos força, contiuaremos a ser o moleiro do nosso destino.

    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A aceitação exige sempre muita coragem, cantinho, mas há casos em que não nos resta outra saída a não ser tentar sempre sermos " o moleiro do nosso destino. Beijinhos e muito obrigada pela visita.
      Emília

      Eliminar