quarta-feira, 29 de maio de 2013

O TEMPO VALE....



..... MUITO MAIS DO QUE O DINHEIRO

 Perder tempo não é como gastar dinheiro. Se o tempo fosse dinheiro, o dinheiro seria tempo.
 Não é. O tempo vale muito mais do que o dinheiro. Quando morremos, acaba-se o tempo que tivemos. Quando morremos, o que mais subsiste e insiste é a quantidade de coisas que continuam a existir, apesar de nós. O nosso tempo de vida é a nossa única fortuna. Temos o tempo que temos. Depois de ter acabado o nosso tempo, não conseguimos comprar mais. Quando morreu o meu pai, foi-se com ele todo o tempo que ele tinha para passar connosco. As coisas dele ficaram para trás. Sobreviveram. Eram objectos. Alguns tinham valor por fazer lembrar o tempo que passaram com ele - a régua de arquitecto naval, os relógios - quando ele tinha tempo. As pessoas dizem «time is money» para apressar quem trabalha. A única maneira de comprar tempo é de precisar de menos dinheiro para viver, para poder passar menos tempo a ganhá-lo. E ficar com mais tempo para trabalhar no que dá mais gosto e para ter o luxo indispensável de poder perder tempo, a fazer ninharias e a ser-se indolente.
 A ideologia dominante de aproveitar bem o tempo impede-nos de perder esses tempos. Quando penso no meu pai, todas as minhas saudades são de momentos que perdi com ele. Uma noite, numa cabana no Canadá, confessou-me que o único filme de que gostava era «Um Peixe Chamado Wanda«. Todos os outros eram uma perda de tempo. Perdemos a noite inteira a falarmos e a rirmo-nos disso. Ainda hoje tem graça.

 Miguel Esteves Cardoso, in 'Jornal Público (26 Dez 2011)'

 Gostaria de salientar estas duas frases do texto:
 "O nosso tempo de vida é a nossa única fortuna. Temos o tempo que temos. Depois de ter acabado o nosso tempo, não conseguimos comprar mais"

"As coisas dele ficaram para trás. Sobreviveram. Eram objectos "

Precisamos todos de reflectir no que estamos a fazer com o  nosso tempo de vida...com a " nossa maior fortuna ".

 Emília Pinto

37 comentários:

  1. Emocionei-me!

    Sinto tanto a falta da minha mãe (mesmo fisicamente presente). Falta do conforto dela, sempre que diariamente lhe telefonava. Era o meu "porto seguro". Agora estou como o "tolo em cima da ponte".

    Seleccionaste as frases certas...tão verdadeiras!

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu sei, Lisa, que deve ser muito difícil e eu, estou quase a ficar também " como um tolo em cima da ponte " pelos motivos que já conheces. Talvez por isso me tenha decidido por esta mensagem; eu, tu e tantos mais estamos agora a dizer " todas as minhas saudades são de momentos que perdi com ele...( ela...eles...)". Ainda estamos cá, amiga e por isso temos ainda tempo de aprender " que o nosso tempo é a nossa maior fortuna "; cuidemos bem dessa fortuna! Um beijinho e muito obrigada pelo carinhos. Força, amiga!
      Emília

      Eliminar
  2. Uma crónica emocionante.
    Se puderem, dêm um saltinho ao Sexta, que em dia de aniversário gostaria de receber todos os amigos.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É sim emocionante esta cronica e um alerta para que cuidemos bem da fortuna que é o nosso tempo de vida. Claro que fui à festa de aniversário e digo-te sinceramente: FIQUEI EMOCIONADA. Obrigada por mais este carinho, Elvira. Beijinhos
      Emília

      Eliminar

  3. Querida Emília

    À medida que ia lendo o texto ia-me lembrando de um filme que vi há uns três anos 'In time', de que fiz depois um post com o título:'Moeda de troca'. Trata-se de uma sociedade em que a moeda de troca é o 'tempo'.Assim, tudo se faz para ganhar tempo...até as maiores atrocidades, mostrando de forma retorcida a importância do tempo.
    Aqui, o texto alerta-nos para o que é realmente importante na nossa vida, focando o aspecto material, os objectos, como coisas que depois ficam e que acabam realmente por ser inúteis, ao passo que o tempo que passamos com as pessoas que amamos ou com quem precisa de atenção e companhia é um repositório que se multiplicará e habitará para sempre nos nossos corações. E é assim que depois recordamos os nossos, com saudade mas revivendo os momentos doces, os momentos bem passados, e também os momentos menos bons mas que foram ultrapassados.

    Querida amiga, adorei este teu post. O tempo é um tema muito importante.É necessário reavaliar o modo como o empregamos, como o gastamos, como o despendemos. E este foi o meu momento. Muito obrigada.

    Beijinhos

    Olinda

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, Olinda, este texto alerta-nos para a importância dos afectos, pois é isso que fica depois que acaba o nosso tempo aqui. Como diz o Augusto Cury no seu livro O vendedor de sonhos, pedaços do qual coloquei aqui no Começar de Novo, a pessoa ficará eterna pelo significado que deixou na vida das pessoas com quem conviveu; não será lembrado pelo tanto de bens materiais que deixou, mas sim pelos afectos que foi capaz de manifestar. É esse significado deixado na minha vida que me leva a recordar com saudade pessoas queridas que já se foram . Muito obrigada, Olinda, pela visita e pelas palavras sempre tão carinhosa. Um beijinho e boa noite.
      Emília

      Eliminar
  4. "As coisas dele ficaram para trás. Sobreviveram. Eram objectos "
    Eram e são objectos com os quais nos prendemos , esquecendo as pequenas grandes coisas da vida , e sobretudo , o mais importante , os afectos .
    O amor , onde se inclui a amizade , a cordialidade ... andam muito esfiapados .
    É urgente parar e pesar , para decidirmos como vamos gastar o tempo que nos resta ,
    Obrigada por este alerta .

    Beijo grande , para as duas ,
    Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que mais importa na sociedade de hoje é o materialismo, os objectos e isso fica quando nos formos; pouco tempo depois já ninguém se lembrará de nós. O que ficará para sempre é o amor que formos capazes de dar; esse fará de nós seres eternos no coração daqueles que de nós receberam todos esses afectos a que te referes. Vamos lá então refletir e começar desde já a mudar o modo como estamos a gerir a " nossa maior fortuna ". Obrigada, Maria, pelo carinho. Um beijinho muito especial e boa noite.
      Emília

      Eliminar
  5. Muito bem escolhido este teu post.
    Sinto profundamente a ausência física dos
    meus Pais. Chega a doer!
    Mas eles estão comigo diariamente, tal a força
    do Amor que nos liga.
    Beijo.
    isa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É sinal, Isa, de que perdeste bons momentos com eles, é sinal de que o significado que deixaram na tua vida foi grande e tudo isso fará com que fiquem eternos no teu coração. É com o significado que queremos deixar na vida dos nosso queridos que nos devemos preocupar, pois é isso que fará com que tenham muitas saudades nossas . Muito obrigada, Isa, pelas palavras carinhosa e volta sempre. É um gosto tê-la cá. Um beijinho e até sempre.
      Emília

      Eliminar
    2. Gosto de Miguel Sousa Cardoso, o homem sem papas na línguas, nas suas cronica satíricas, polémico, amoroso com as filhas, vive um grande amor,companheirismo,lembro-me da "noite da má língua,"na Sic, onde ele colaborava.
      Aqui mostra mais uma, é viver o momento com intensidade, os ponteiros do relógio não param,os minutos correm velozmente , não se compadecem, e partimos.. hoje, amanhã quem sabe?
      Não penso no "material" ,esses os vou dispensando,não me ligo,com eles não crio raízes, sei que vou deixar o mais importante: o amor, este vai continuar,os sentimentos transmitem-se, por vezes até muito mais,sem esperar trocas.
      Assim me deixou minha avó, quando eu tinha vinte anos, carinhos,faço exatamente o mesmo à minha neta, a minha mãe, que cada dia que passa, parece que ainda vai chegar, quanto ao pai, deixou era eu novita 9 anos, pouco me lembro, mas a recordação que me deixou,foi de ser uma pessoa meiga, é essa a ideia, mas muito vaga com que fiquei, tive o meu avô, que foi « homem da casa, o pilar .Assim me transmitiram todos esse sentimentos, mas hoje se vou à terra sinto um enorme vazio, quase uma desconhecida,assim evito.Todos aqueles sentimentos os tenho vindo a passar,sabendo, que são bem recebidos, e que irão continuar, por isso sinto-me em paz.

      Não,não sou perfeita,mas todos nós nunca a atingiremos a perfeição,há sempre aquele pé que fugiu para a poça.
      Patroa ainda continuo à espera do seu telefonema, esta sexta, às 3h da tarde será a abertura na Casa das Artes, da Exposição de Pintura dos Seniores, assim passe por lá , fará a sua critica, mas....já evoluímos um pouco, tem bons quadros.
      Até breve e não demore.
      Herminia

      Assim até breve.
      Herminia

      Eliminar
    3. Sim senhor, Patroa!!!!Para quem diz que não consegue escrever, vou-lhe dizer, está aqui um autêntico testamento, como costumo dizer. Também gosto muito do Miguel Esteves Cardoso e outro dia ouvi uma entrevista dele em que dizia que o que mais queria da vida era SOSSSEGO. Pelo que entendi queria estar de bem consigo mesmo, estar de alma tranquila; só conseguimos esse sossego se começarmos a dispensar o materialismo e a virarmo-nos mais para os afectos, ou melhor se conseguirmos viver com o equilibrio necessário entre o material e o afectivo. Na Sexta terei cá os meus netos e por isso não poderei ir à casa das artes. Obrigada pelo convite. Fique bem, Hermínia. Um beijinho e até...
      Emília

      Eliminar
  6. OI EMÍLIA!
    INTERESSANTÍSSIMO ESTE TEXTO.
    É MESMO VERDADE, TEMPO NÃO SE COMPRA, ENTÃO NÃO VALE DINHEIRO E APÓS TERMOS IDO DESTA VIDA, ELE SIMPLESMENTE ACABA.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/











    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, Zilai, ele simplesmente se acaba e só fica aquilo que de bom tivermos feito aos que connosco conviveram. Por isso é que devemos preencher o nosso tempo com carinho, pequenos gestos e não dar como perdido aquele tempo que passamos com os amigos e com a família. Um beijinho, amiga e obrigada pelo carinho da visita. Fique bem!

      Emília

      Eliminar
  7. Perdemos muito tempo com coisas que são tão banais e quando pensamos um bocado e concluímos que não valeu a pena, o tempo já está esgotado....O tempo que podíamos ter aproveitado para gozar a companhia de quem gostamos, fazer o que nos dá sentido à vida...
    Dei por mim a pensar no meu Pai, nos últimos meses de vida, já acamado e com uma sonda para alimentação. As brincadeiras que fazíamos para ver se ele sorria e a nossa gargalha feliz quando dissemos "não está a perceber nada" e ele, muito zangado "percebo tudo"...Apesar de tudo, e não posso negar os momentos complicados, dava tudo para estar novamente naquele quarto e fazer trinta por uma linha para ver se ele sorria.
    Um boa escolha para ler, reler e meditar.... Obrigada pela visita
    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Posso imaginar a vossa felicidade, Marta, apesar da situação difícil em que estava o teu pai. Posso imaginar também a felicidade dele por ver os filhos a tentarem de tudo para lhe ver um sorriso. São momentos gratificantes que não têm preço e que ficam para sempre nos nossos corações. O teu pai se foi quando a vida assim o determinou, mas de certeza que foi com a alma serena por sentir-se tão acarinhado por aqueles que amava.Muito obrigada, Marta, não só pela visita, mas principalmente pelo teu testemunho que muito enriquece a mensagem do Miguel Esteves Cardoso. Um beijinho e até sempre, amiga!
      Emília

      Eliminar
  8. Gosto do que escreve Miguel Esteves Cardoso...num tempo em que quase ficou sem tempo para ter a mulher a seu lado... Temos o tempo que temos! sem dúvida...ás vezes muito mal aproveitado...Há pessoas que pensam que, estar deitada na relva de olhos fechados, saboreando o canto dos pássaros...é um tempo inútil! Enganam-se...é um tempo em que alimentamos a alma, a única coisa que transporá a fronteira...do tempo!!
    Beijos de sol e bom fim de semana.
    Graça

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, Graça e talvez por isso ele tenha começado a entender melhor o valor do tempo e é isso que acontece com a maioria das pessoas. Quando perdemos uma pessoas querida ou estamos em vias de perder, percebemos que desperdiçamos o nosso tempo, que não demos a essa pessoa o tanto que ela merecia do nosso tempo. E a propósito do " tempo em que alimentamos a alma, numa entrevista a Miguel Esteves Cardoso ele disse que o que mais queria da vida era SOSSEGO e creio que se referia a isso mesmo, à tranquilidade de espirito... à serenidade que são o alimento da nossa alma. Gostei muito dessa entrevista dele e passei a admirá-lo ainda mais. Um beijinho, Graça e muito obrigada pela visita. Espero que o teu tempo seja de momentos serenos e cheios de luz. Fica bem, amiga!
      Emília

      Eliminar
  9. Muitas vezes quando perdemos a esperança e pensamos que é o fim,
    Deus sorri lá de cima e diz:
    Acalme-se confia em mim... é apenas uma curva não é o fim!
    Se Deus encheu tua vida de obstáculos,
    é porque ele acredita na tua capacidade de passar por cada um!
    Se não podemos mover a terra com nossas palavras,
    podemos mover o céu com as nossas orações!
    Nossa amizade é como um diamante lapidado...
    Seja feliz, DEUS estará sempre ao seu lado!
    Um carinhoso abraço beijos no coração.
    Carinhos na Alma.
    Sempre sua amiga..Evanir..

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um bom fim de semana, Evanir e muito obrigada pelas palavras sempre carinhosas. Um beijinho
      Emília

      Eliminar
  10. A política americana do "time is money" devia ser entendida, não à letra, mas com a valência de saber aproveitá-lo o melhor possível para não odiar ou sequer fazer algo que prejudique alguém.
    Pensar no tempo pode causar ansiedade profunda, porque ele esfarela-se das nossas mãos como pó ao vento, sobretudo no último quartel da vida...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, Maria, mas o problema é quando o tempo é gasto todo de uma maneira que não nos satisfaz interiormente, esquecendo o convívio com os amigos e familiares. Deve haver um equilibribio para que consigamos ter o que nos faz falta tanto a nível material como a nível interior. De facto agora parece que o tempo " esfarela-se nas nossas mãos " por isso o devemos aproveitar ainda melhor dando prioridade ao que nos faz sentir bem. Um beijinho e muito obrigada pela visita. Um bom fim de semana. Até sempre.
      Emília

      Eliminar
  11. Curioso que hoje lanchando com uma amiga, foi este o tema de conversa! Gosto muito de Miguel Esteves Cardoso, e acompanho as suas crónicas. Pela parte que me toca cada vez mais tento viver o momento e as coisas boas que a vida me vai proporcionando. È claro que h´+a sempre mais para fazer...vou tentando na medida do possivél.
    Bom fim de semana
    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Às vezes há coincidências que não somos capazes de entender, não é?. Claro que há sempre muito a fazer e nem às vezes não conseguimos viver o momento e as coisa boas com que nos vamos deparando, mas vamos, pelo menos, tentando encontrar um equilibrio que nos permita também o tal do " saber viver ". Um beijinho e muito obrigada pela visita. Um bom fim de semana, Lila(s) cheio de momentos agradáveis.
      Emília

      Eliminar
  12. Emilia,

    Sabemos! Mas todo mundo vai perder algum tempo nesta vida e este tempo servirá ou não de lição. Eu já perdi momentos importantes por pensar ou esperar demais, nada volta atras, entao passei a ficar mais atenta.

    Beijos e bom final de semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Todos nós já perdemos tempo em coisas desnecessárias e vamos continuar a perder, mas é sempre tempo para aprender e ficar atentos. Um bom fim de semana, Sissym, e muito obrigada pela visita. É sempre um gosto tê-la cá. Um beijinho
      Emília

      Eliminar
  13. Este texto está muito certo. Pela m/idade e do m/marido nós
    já pensamos no dia da nossa partida, e acredite, que penso
    muito nas coisas materiais que temos cá em casa.Porque gastámos
    dinheiro com elas, algumas nunca foram usadas(não tendo filhos)
    e os sobrinhos estando no estrangeiro, o que acontecerá a essas
    coisas. Dá-me às vezes alguma tristeza...mas já pouco posso
    mudar, mas devia ter aproveitado mais a vida, em vez de estar
    a gastar dinheiro em coisas que depois talvez ninguém queira.
    Bj.
    Irene Alves

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sabe, Irene que também penso muito nisso? Apesar de ter filhos sei que o que tenho em casa um dia irá para o lixo até porque eles já têm as suas coisas e não vão dar valor às minhas. Já há muito deixei de comprar " tralhas " Já está mais que na hora de começarmos a gastar o nosso dinheiro e o nosso tempo em coisas que contribuam para a nossa satisfação pessoal. Um bom fim de semana, amiga e obrigada pela visita. Um beijinho e até sempre.
      Emília

      Eliminar
  14. Olá Emília,( minha xará como dizem os brasileiros)!
    Precisamos de aproveitar bem o tempo que nos resta: fazer o que mais gostamos, estar com os familiares que ainda cá andam e com os amigos verdadeiros...
    Claro que a nossa casa e os objectos que a enchem também fazem parte da nossa vida ...mas depois da última viagem tudo isso ficará...
    Também já não compro" tralhas", nem faço rendas, e quase não pinto...a pouca saúde não o permite.
    Vive-se o dia a dia, o melhor que se pode.
    Um grande abraço.
    M. Emília

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. " Mas depois da última viagem tudo isso ficará " e penso que tudo será jogado ao lixo. O que eu não quero é que desprezem os valores que deixei...a dedicação e o amor que dei. Isso, sim, gostaria que recordassem. viver o dia o melhor que pudermos e soubermos é o que devemos fazer. Mª Emília, minha xará, espero que a saúde te permita fazer aquilo que tanto gostas, mesmo que seja com menor assiduidade, pois pintas e escreves muito bem. Obrigada pelo carinho e um dia destes aí estarei para um chàzinho. Um beijinho.
      Emília

      Eliminar
  15. Texto acertado, lindo,tocante.. Aproveitar do melhor modo nosso tempo. Ele voooooooooooooooooooooooooa! beijos,linda semana,chica

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Tempo voa e nem sempre nos damos conta disso, Chica. Está na hora de refletirmos e não perdermos mais tempo só com coisas materiais, esquecendo aqueles momentos que são só nossos, momentos que se vão e não voltam. Já corremos demais e agora é tempo de pensar mais nos afetos, aproveitando cada instante com as pessoas que nos são queridas e até com o nosso EU; ele também precisa de atenção e é tantas vezes esquecido. Um beijinho, amiga e muito obrigada pelo carinho.
      Emília

      Eliminar
  16. Olá Emília,

    Andei um pouco ausente da net, muitas coisas pra resolver e faltou tempo pra cuidar do blog, mas aqui de volta estou.
    O tempo é precioso vale ouro, por vezes nem damos conta disso, quando vemos já passou e não tem como voltar atrás.
    Hoje estive a conversar com uma amiga sobre isso.
    Beijos grandes!
    Ótima semana!


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda bem que está de volta Smereis, pois habituamo-nos aos amigos e sentimos falta. Mas, eu também não ando tão assidua como de costume. Os meus pais que vivem no Brasil estão cá e isso me tira tempo. O que interessa, no entanto é que não esquecemos as pessoas de quem gostamos e logo que temos tempo
      aparecemos. O tempo é valioso demais e é por isso que estamos sempre a falar dele; pena é que não aprendamos a dar-lhe o valor que ele merece, desperdiçando-o com coisas que em nada nos enriquecem. Obrigada pela visita e brevemente estarei aí para um cafézinho, certo? Um beijinho, amiga.
      Emília

      Eliminar
  17. Olá Emília!
    Tempo!
    Tanto para se dizer com o Tempo, como com o nosso Vazio ou o nosso Silêncio, Emília!
    E sendo o tempo uma referência para nos situarmos ...o tempo não existe. E é o que fazemos aqui com ele, sim.Como o preenchemos, como o ganhamos para nos enriquecermos a nós e aos outros. E lembro quando tanta vez, quando se dizia na aldeia que as pessoas se distraíam para "MATAR TEMPO"! Hoje vejo o quanto se despreza o bem mais precioso que nos faz saborear os momentos de alegria, tristeza, indiferença...
    Lembro as pessoas que nos jardins olham absortas o vazio,sem vislumbrar formas de saborear tempos "mortos". Esperam numa esperança triste a única certeza: o fim do tempo!
    Melhor preencher todos os momentos de memórias que perpetuem o tempo que morreu para nós .
    Seja um beijo, um abraço, um postal. De saudade!
    Grande e amigo abraço Emília

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. È verdade, Manuela, o tempo não existe, mas é só com o passar do tempo, com o passar dos anos que vamos chegando à conclusão que ele " é uma referência para nos situarmos "; o que conta mesmo é o que " fazemos aqui com ele ". E é mesmo triste ver que muitas pessoas "olham absortas o vazio" sem conseguirem " saborear os tempos " mortos" Fomos educados para não perder tempo, para aproveitar o máximo dele para trabalhar, trabalhar e trabalhar e depois quando não há esse trabalho, achamos estranho ficar assim simplesmente a olhar para o vazio , mas esse olhar para o vazio pode ser muito valioso se soubermos saboreá-lo trazendo para a nossa companhia momentos inesquecíveis de tempos passados mas que foram tão importantes que se tornaram imortais. E há tanto beijo...tanto abraço...montes de postais...saudades imensas capazes de preencher os nossos " tempos mortos " fazendo deles verdadeiros TEMPOS VIVOS ...enriquecedores. E com o teu tempo aqui no Começar de novo o momento foi delicioso pela poesia que sempre és capaz de colocar em cada palavra que escreve. Obrigada, amiga...pela amizade...pelo abraço...pelo momento. Um beijinho e boa noite.
      Emília

      Eliminar