terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

PARA REFLETIR!

Neste cartaz que o menino de cor nos mostra, com um sorriso nos lábios, está escrito:

Seu Cristo é Judeu!
Sua escrita é Latina!
Seus números são Árabes!
Sua democracia é Grega!
Seu som é Japonês!
Sua bola é Coreana!
Seu DVD é de Hong Kong!
Sua camiseta é da Tailândia!
Seus melhores jogadores de futebol são do Brasil!
Seu relógio é Suíço!
Sua pizza é Italiana e...

você ainda vê o trabalhador imigrante como um incómodo estrangeiro?



Recebi esta mensagem via e-mail e não resisti à tentação de a colocar aqui no Começar de Novo. Em todos os países há muito preconceito contra os emigrantes, sendo menosprezada a enorme contribuição que eles dão para o desenvolvimento das sociedades onde trabalham. Todos temos obrigação moral de lutar contra esta falta de tolerância.

Emília Pinto

34 comentários:

  1. O argumento que essas pessoas usam para justificar a discriminação contra imigrantes geralmente é o de que lhes tomam os empregos. A solução não seria uma maior/melhor qualificação da mão de obra natural do país?

    ResponderEliminar
  2. Oportuna esta mensagem. É um bom momento de reflexão.
    Penso que todos somos emigrantes e que todos nos escudamos em muitas coisas para não amarmos aqueles que a vida trouxe até nós.

    Muitos emigrantes teimam em não querer entender o meio ambiente onde vivem. Constroem vidas diferentes e fechadas.

    O nosso Deus é de todo o mundo, de todas as línguas e de todas as cores.

    ResponderEliminar
  3. O argumento é esse sim, mas não teem razão; o emigrante vem fazer aquilo que os trabalhadores do país que recebe não querem fazer e ao mesmo tempo o emigrante muitas vezes também cria postos de trabalho, por isso há que os tratar sem discriminação. Agora são eles, um dia seremos nós. O ideal seria que todos pudessem ficar na sua Pátria, mas o ideal não existe. Um beijinho e obrigada pela visita, sentindo.
    Emília

    ResponderEliminar
  4. Todos somos emigrantes, sim, Luis! Estamos de passagem e nada nos pertence, por isso não devemos achar que somos donos da verdade e do mundo. Se as pessoas veem até nós devemos aproveitar o que elas nos trazem, pois sempre aprendemos algo com todos. Também tens razão no que dizes em relação à dificuldade que mostram em se integrarem, mas por que não ajudamos em vez de discriminarmos? Um beijinho e fica bem. Obrigada pelo comentário
    Emília

    ResponderEliminar
  5. Adorei a postagem e me fez sorrir!
    Hoje, que o mundo é uma aldeia global, faz algum sentido haver ainda estes "preconceitos"??
    Olha, eu sou "retornada" e sofri muito quando aqui cheguei sentindo na pele essa descriminação!
    Por isso, amo todos os imigrantes ...de todas as cores.
    Beijos e boa semana.
    Graça

    ResponderEliminar
  6. Olá

    Faço minhas as palavras da Graça. Tb sou "retornada" e senti , bem na pele, a descriminação!

    Bjs.

    ResponderEliminar
  7. Mesmo que não fosse " retornada ", Graça, tenho a certeza que não seria capaz de discriminação alguma. Lembro muito bem do sofrimento dos que voltaram das ex-colónias e das barbaridades que diziam. Eu também emigrei para o Brasil depois da bagunça em que ficou Portugal depois do golpe de estado. Felizmente nunca senti qualquer tipo de preconceito e fico muito triste quando aqui se discrimina tanto os brasileiros; eles não merecem isso até porque o Brasil está cheio de portugueses que foram para lá ganhar a vida. Um beijinho, amiga e obrigada pelo testemunho
    Emília

    ResponderEliminar
  8. Sabe, Lisa, nós portugueses temos compatriotas nossos emigrados em todos os cantos do mundo, mas às vezes somos pouco tolerantes com os que para cá veem. É triste, mas é a realidade. Como já disse no comentário anterior,lembro bem dessa época e sinto vergonha do povo portugês agir dessa maneira, uma vez que é um país de emigrantes e devia lembrar-se disso. Um beijinho e obrigada pela visita
    Emília

    ResponderEliminar
  9. Eu ainda nao sou retornada e gracas a Deus tambem nao sofro muito preconceito, mas conheco casos que dao nojo contra alguns povos. O Brasil, geralmente é bem visto aqui fora.
    FICO FELIZ POR ISSO;

    beijo amiga

    ResponderEliminar
  10. Infelizmente, Iram, alguns casos " dão nojo " mesmo. Não sei como o ser humano consegue ser tão cruel às vezes. Espero sinceramente que continue a não sofrer preconceito, pois isso é muito bom. Morei 14 anos no Brasil e só tenho coisas maravilhosas a dizer do povo brasileiro; nunca senti qualquer tipo de discriminação.. Um beijinho e muito obrigada pela visita
    Emília

    ResponderEliminar
  11. Oi Amigas!
    Hoje como ontem ,´há a não aceitação da emigração.
    É um racismo idiota que não se entende.Quantos dos nossos portuguesese estão espalhados pelo mundo,uns melhores outros piores, começaram novas vidas, movidos sempre pela esperança, , de igual modo os que procuram o nosso País, Vêm como o mesmo sonho, porque não?.Quanto aos retornados,quais as condições que tiveram para ficar?
    Até breve
    Herminia

    ResponderEliminar
  12. Não se entende, de verdade, Hermínia, mas as pessoas esquecem-se de que um dia podem ser elas a precisar de abalar e não gostarão de ser mal recebidas. O pior, é que vemos muita gente criticar a emigração tendo parentes na mesma situação; conheço casos desses. Um beijinho.
    Emília

    ResponderEliminar
  13. Emigrante significa: "aquele que saiu de sua patria". Imigrante "é aquele que chega em nossa patria"

    Entendi que voce se refere a "Imigrante". Bom na maioria das vezes o que rola não é preconceito, é um sentimento de "perdi a minha vez"; aqui no Brasil é muito comum, trazerem "mão de obra especializada em medicina, cultura, esporte, engenharia, de outros países". Com esta postura muitos brasileiros ficam desempregados ou sub-empregados, e até sucateados.
    Porque o nosso MINISTRO DA EDUCAÇÃO' cometeu uma falha enorme há 20 anos, quando extinguiu a formação de TÉCNICOS.
    Então as grandes empresas, hospitais e escolas, trazem de fõra para preencher vagas abertas que os brasileiros não estão preparados para assumir.
    É aí que rola mesmo uma espécie de preconceito.
    Afinal, o certo seria dar instrução ao cidadão brasileiro em primeiro lugar.
    Quando brasileiro chega nos EUA, Europa, Asia, é exigido um monte de coisas, e para os imigrantes, nada, nem mesmo falar o nosso idioma.

    Não gosto disso pessoalmente, sinto-me prejudicado,

    Ricardo.

    ResponderEliminar
  14. Preconceito e discriminação devem ser trabalhados e excluidos,a começar pelos nossos.

    Minha mais que querida,perdoe o sumiço,andei a cismar em mim.

    afagos alegres

    ResponderEliminar
  15. Olhe Ricardo, sei bem a diferença entre emigrantes e imigrantes e portanto tanto faz falar de um jeito como do outro, porque eu ao falar deles estou-me a referir aos que saem e aos que entram. Imigrante não tira emprego a ninhuém; os que estão cá, por exemplo os emigrantes do Brasil, da Ucrania etc fazem o que os nossos não querem fazer e muitos deles até criam postos de trabalho. Um especialista uma vez falou:" a emigração se controla a ela mesma, não precisamos ser nós a persegui-la; quando veem que não há trabalho eles se mudam: Eu fui emigrante para o Brail e criei muito postos de trabalho e crio até hoje. Além do mais eles fazem os seus descontos, pagam irs e contribuem para o crescimento do país que os recebe. Aqui há licenciados de outros países fazendo limpezas, trabalhando em construção civil etc. Acha que os nossos licenciados fariam isso? Não! Por isso não estão a tirar o emprego de ninguém. Um amigo meu tem uma empresa de madeiras; há muito desemprego em Portugal, mas ele tem que empregar mão de obra entre os imigrantes, porque os nossos não querem o trabalho; preferem receber o subsídio de desemprego. Mas, Ricardo, respeito a sua opinião, embora não concorde. Obrigada e um beijinho
    Emília

    ResponderEliminar
  16. Já tinha visto, Denise que anda em momento de " reflexão " a falar com o seu "eu", pois tenh-a visitado e portanto sei. Claro que nos dias de hoje não se admite este ou qualquer outro tipo de discriminação, mas o pior é que eu não vejo jeitos das coisas mudarem, pois vejo jovens adultos com esse pensamento contra a emigração. Se eles ainda pensam assim, que esperanças podemos ter?. Um beijinho e gostei de a ver por cá. Apareça e fique bem
    Emília

    ResponderEliminar
  17. Concordo. Preconceito não está com nada hoje em dia. Sou totalmente contra.
    Beijos meus

    ResponderEliminar
  18. Ainda bem que assim pensas, Priscilla! Estás como eu..não tenho qualquer preconceito seja de que género for. Tenho os meus defeitos e qualidades como toda a gente, mas esse eu não tenho e fico triste quando vejo uma pessoa com responsabilidades educativas a manifestá-lo; pode até ter os seus preconceitos, mas nunca manifestá-los, mesmo que esteja em frente de uma plateia de seniores como foi o caso; e o pior...era uma professora jovem; como podemos esperar que as mentalidades mudem se os jovens continuam preconceituosos? Um beijinho e muito obrigada pela visita.
    Emília

    ResponderEliminar
  19. Boa noite Emília,
    uma mensagem para refletir, adorei!

    Beijinho,
    Ana Martins

    ResponderEliminar
  20. Apareça sempre, sentindo e obrigada pelo carinho
    Emília

    ResponderEliminar
  21. É sempre muito bom vê-la por cá, Ana. Muito obrigada pela visita e fico contente que tenha gostado da mensagem. Um beijo e um bom fim de semana
    Emília

    ResponderEliminar
  22. Querida amiga Emília!

    A xenofobia não é só palavra mais no nosso dicionário!!!
    Infelizmente há atitudes cada vez mais xenófobas em todo o mundo, apesar de estarmos a viver numa constante profusão de mistura de raças.
    Os imigrantes continuam a ser tratados como seres de segunda...explorados e negligenciados como sempre.
    Os emigrantes, mesmo os que estão há 12 anos noutro país, como o meu filho na Suiça, continuam a ser usados e constantemente a ser lembrados qual é o seu estatuto.
    EMIGRANTES!
    Lamentavelmente, só teoricamente é que somos todos diferentes todos iguais.
    Na prática, estamos sempre prontos a assinalar as diferenças e a tirar partido do suor dos outros, explorando-os.

    Sim, deveríamos ser um mundo global, sem fronteiras, sem credos, religiões, sem cores...onde a humanidade fosse a regra e todos pudéssemos viver como irmãos.
    Já o dizia Jonh Lennon in Imagine

    " Imagine theres no heaven
    It's easy if you try
    No hell below us
    Above us only sky
    Imagine all the people
    Living for today

    Imagine there's no countries
    It isn't hard to do
    Nothing to kill or die for
    And no religion too
    Imagine all the people
    Living life in peace

    You may say that I'm a dreamer
    But I'm not the only one
    I hope someday you'll join us
    And the world will be as one

    Imagine no possessions
    I wonder if you can
    No need for greed or hunger
    A brotherhood of man
    Imagine all the people
    Sharing all the world

    You may say that I'm a dreamer
    But I'm not the only one
    I hope someday you'll join us
    And the world will live as one"

    beijinhos

    ResponderEliminar
  23. Infelizmente, assim é, Ná e o que maios me entristece é que vemos ainda jovens adultos com muita xenofobia o que nos tira a esperança de que essa palavra comece a constar só no dicionário.John Lennom bem que tentou! Ele não é o único a querer que o mundo todo viva unido, como se fosse um só,partilhando tudo como irmãos. Lennon não viu...nós também não vamos ver. Beijinhos, Ná e obrigada por me recordares esta letra lindissima de John Lennon; adoro as letras dele; aqui no Blog, no Nata,l coloco sempre a música dele Merry Christmas, pois tem uma letra diferente e muito bonita. Tem um bom fim de semana!
    Emília

    ResponderEliminar
  24. Consideramos que um dos grandes desafios do nosso século é justamente a aceitação plena das diferenças sociais, religiosas, raciais. Promover a convivência pacífica fundada na confiança, no respeito, na aceitação é, para nós, o grande desafio. Há uns tempos lemos que em média, em cada semana, nasceram 92 mil europeus, morreram 86 mil e entraram 32 mil estrangeiros (estes dados estarão agora um pouco desatualizados, mas a diferença não será substancial). Estes números colidem com as políticas de restringir o fluxo de imigrantes. Os europeus não querem reproduzir-se. Ou criamos condições para que os novos imigrantes sejam verdadeiramente acolhidos (cultural e sentimentalmente) ou então extinguimo-nos em poucas gerações. A Europa, ou será(é)mestiça ou não será (é). O mundo - todo o mundo - ou é mestiço, ou não será.
    Muito oportuno e importante este post. Um abraço e um fim de semana multicolorido com as cores do arcoíris que existem em cada um de nós.

    ResponderEliminar
  25. Claro, optimismo! Não percebo como as pessoas não gostam dessa pluralidade cultural, dessas cores diferentes que vemos agora no nosso país, com essas criancinhas lindas que vemos por aí( agora parece-me que são mais) frutos dessa mistura de raças. Estamos a ficar um povo mais alegre, muito mais comunicativo, com hábitos diferentes, comidas diferentes, tudo isso motivado pela influencia das diferentes culturas que temos aqui no nosso país. Pena que as pessoas não pensem no tanto que ganhamos com as experiências diferentes que os de fora trazem para o nosso país. Mas eu gosto muito de toda esta misturinha, amigas, e espero ver o meu país a tornar-se cada vez mais acolhedor, lembrando-se sempre que os nossos portugueses estão espalhados por todos os cantos do mundo, sofrendo muitas vezes por causa deste tipo de descriminação. Muito obrigado pela carinhosa visita, pelo vosso testemunho e espero que, apesar da chuva, os vossos corações estejam cheios de cor.Muitos beijinhos e um bom fim de semana
    Emília

    ResponderEliminar
  26. Oi Meninas

    Perfeito!
    Há muito que refletir nestas frases.
    O sol é para todos seja em que país for.

    Bjs no coração!

    Nilce

    ResponderEliminar
  27. É claro que é! Afinal somos todos seres humanos e cada um deveria ser livre para escolher o lugar onde deseja morar; como dizia o John Lennon na " Imagine " ...um mundo único para todos...sem países...partilhando tudo como irmãos. Sonhou com isso o querido Lennon... muita gente sonha, mas está difícil....mas, penso que tem havido melhoras; não percamos a esperança! Obrigada, Nilce, pela visita e desejo que tenhas um otimo fim de semana
    Emília

    ResponderEliminar
  28. Queridas amigas!

    Tenho um presentinho e um desafio aqui:http://nacasadorau2.wordpress.com/

    Hoje tivemos direito a um solinho que aqueceu o coração :)))
    Soube a tanto!!!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  29. Olá amigas!

    Não concordo que no Brasil seja assim. Aqui todos que chegam são benvindos. Há preconceito relacionado à pobreza, mas ninguém sai por aí perseguindo estrangeiros, pelo contrário, somos até tolerantes demais.

    ResponderEliminar
  30. Olá Ná! Sim o selinho soube bem, embora eu não o tivesse aproveitado muito; fui ver o Discurso do Rei e tive que ir cedo, porque ao Sábado enche; emquanto esperava fiz compras no supermercado, coisa que não me agrada, mas tem que ser. Adorei o filme. Muito obrigada, irei ver o desafio. Beijinhos e um bom Domingo
    Emília

    ResponderEliminar
  31. Anabela, eu sei que no Brasil são muito acolhedores; não sei se leu os comentários, mas digo precisamente isso; emigrei para o Brasil onde morei 14 anos e não senti descriminação nenhuma; tive um comentário de um Brasileiro, que poderá ler, que diz que se sente prejudicado pelos imigrantes. Não lhe dei razão, mas cada um é livre de pensar o que quiser.Muito obrigada pela visita e tenha um belo Domingo. Um beijinho e volte sempre
    Emília

    ResponderEliminar
  32. Sim Emília. Todos nós fazemos parte deste planeta Terra e deveríamos todos ser amigos e solidários para com as necessidades dos outros e não tratá-los com estranheza e menosprezo. Todos passamos por dificuldades. Há que ser sensível, pois todos nós temos a nossa história de vida, a nossa cultura, as nossas crenças e os nossos valores. Vamos respeitar os dos outros assim como respeitamos os nossos...
    Bjns

    ResponderEliminar
  33. Pbrigada pelo comentário, cuidandodemim; sabia que pensarias assim. Respeito e tolerância são a base para uma convivência pacífica. Beijinhos e volta sempre
    Emília

    ResponderEliminar